Nacional conquista primeiros pontos da época no Bonfim

Formação orientada por Costinha venceu no terreno do Vitória de Setúbal por 2-1, em partida da 3.ª jornada da I Liga

O Nacional da Madeira conquistou este domingo os primeiros pontos na edição 2018/19 da I Liga, ao vencer o Vitória de Setúbal no Estádio do Bonfim por 2-1, em partida da 3.ª jornada.

Os insulares colocaram-se em vantagem no período de compensação da primeira parte, aos 45+3', por Bryan Róchez, que de cabeça apontou o seu terceiro golo no campeonato, na resposta a um cruzamento de Jota.

Os sadinos correram atrás do empate durante o segundo tempo, mas acabaram por sofrerem o segundo golo aos 84 minutos, por Camacho, que converteu uma grande penalidade a castigar falta de Nuno Reis sobre Riascos, que valeu também a amostragem do cartão vermelho ao defesa setubalense.

Mesmo reduzida a dez, a equipa da casa reduziu a desvantagem aos 89', através de um livre direto apontado por Éber Bessa, um minuto antes do treinador Lito Vidigal ser expulso.

Os nacionalistas somam assim o primeiro triunfo da época, depois das derrotas no terreno do Sp. Braga (2-4) e na receção ao Moreirense (1-3), e igualam pontualmente o adversário deste domingo, que tinha vencido o Desp. Aves em Setúbal (2-0) e perdido ante o Sporting em Alvalade (1-2).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.