Na vitória ou na derrota, o otimismo é à prova do Mundial

Acreditar na vitória e ver a derrota como passageira é a estratégia dos adeptos. Eles bem que gostavam aplicar esse otimismo fora do Mundial, mas isso já é outro campeonato

Antes de um jogo decisivo, qualquer adepto que se preze está sempre confiante na vitória da sua equipa. "Vamos arrumá-los e levar a taça para casa", diz Gabriel Smith, agitando a bandeira da Inglaterra. Na outra ponta da Arena Portugal, em Lisboa, o rival sueco, Filip Almstedt, é menos palavroso, mas diz basicamente o mesmo: "Ganhar! Ganhar! Ganhar". Neste aspeto em particular, um inglês não é diferente de um sueco, de um russo ou de um croata.

Nestas etapas finais do Mundial, há sempre um lado que perde. Antes dos jogos, porém, não é nenhum deles. É, no mínimo, comovente a fé dos adeptos pelas suas seleções. Dá vontade de perguntar se toda essa confiança se esgota nos 90 minutos de jogo ou transborda também para os dias seguintes.

"É um bocadinho diferente - explica Filip Almstedt - para não dizer um bocadão". No futebol e, em especial, nos jogos da seleção, há qualquer coisa que se apodera dos adeptos. Se calhar, é a "força do coletivo", se calhar, é saber que há "milhões" em todos os cantos do mundo a torcer para o mesmo lado. Essa é uma energia que não acontece todos os dias. Que bom seria se assim fosse.

Essa dose de confiança tornaria qualquer desafio no trabalho, nas relações pessoais ou em família bem mais fácil. Mas a vida não é o futebol e, em última análise, os campeonatos individuais do dia-a-dia ganham-se e perdem-se sozinhos. "Imagine o que se poderia conseguir se nos momentos decisivos das nossas vidas, houvesse uma multidão de pé e a gritar 'força! Vamos lá! Tu és capaz', exemplifica Blago Dragic, adepto croata da cidade de Dubrovnik.

Bem sabemos que não é assim, mas não se perdia nada em usar a estratégia dos adeptos em outros campeonatos. "Confiança na vitória da Inglaterra até ao último minuto", assegura Richard Zummach. E até mesmo quando os desafios acabam por não corresponder às expectativas o que, verdade seja dita, acontece com frequência dentro e fora das quatro linhas.

As derrotas no futebol, pelos vistos, nunca são definitivas para os adeptos. "Temos uma super seleção e, daqui a quatro anos, tudo será outra vez possível", antevê Erik Magnusson, adepto da Suécia. Pode demorar algum tempo, mas o caminho até à vitória abre-se quando menos se espera, mostrando que as melhores conquistas são dos mais pacientes. "Há quase 30 anos que não chegávamos tão longe", conta Erik, adepto de Liverpool. Isso, sim, é otimismo à prova de futebol.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.