Música da tourada no clássico vale multa ao Benfica

O Conselho de Disciplina também aplicou uma multa a Sérgio Conceição por causa do jogo do FC​​​​​​​ Porto na Luz. Corte da relva também vale castigo ao Portimonense

O Benfica foi multado em 765 euros pelo Conselho de Disciplina (CD) da Federação Portuguesa de Futebol por ter passado na instalação sonora do Estádio da Luz uma música alusiva às touradas no final do clássico com o FC Porto.

O castigo resulta do relatório do delegado da Liga que escreveu que "depois do jogo ter terminado e quando as equipas regressavam aos balneários, foi difundida através da aparelhagem sonora do estádio um música do género pasodoble". De acordo com aquele órgão disciplinar, os encarnados violaram "deveres de correção e urbanidade".

O CD decidiu ainda multar Sérgio Conceição, treinador do FC Porto, em 287 euros por não ter usado a braçadeira de treinador entre os 46 e os 84 minutos do clássico com o Benfica.

Em relação ao Sp. Braga-Rio Ave, o avançado bracarense Wilson Eduardo foi punido com dois jogos de suspensão por ter sido expulso já após o final da partida, porque de acordo com o relatório do árbitro se dirigiu ao árbitro em tom menos próprio, dizendo: "És uma vergona, ladrão de m..., já no ano passado nos roubaste em Vila do Conde."

O treinador dos arsenalistas, Abel Ferreira, foi punido com 765 euros porque "gesticulou de forma evidente com os braços e contestou uma decisão tomada pelo árbitro", proferindo ainda as seguintes palavras: "És muito fraco, é uma merda de critério, és uma vergonha."

Refira-se ainda que o Portimonense foi multado em 765 euros porque o corte da relva do seu estádio não estar "paralelo à linha de meio-campo, mas em faixas oblíquas" no jogo com o Sporting.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?