Final do Mundial 2018 encerra Torre Eiffel

Como o jogo decisivo entre França e Croácia será transmitido em écran gigante nas imediações do monumento a polícia e a prefeitura optaram pelo encerramento devido razões de segurança

A Torre Eiffel, perto da qual será transmitida no domingo a final do Mundial 2018 de futebol, entre a França e a Croácia, será encerrada, por razões de segurança, anunciou a direção do monumento de Paris.

Devido à transmissão do jogo nos Campos de Marte, em frente à Torre Eiffel, "por razões de segurança, a prefeitura da polícia de Paris solicitou o encerramento", anunciou a sociedade que explora o monumento.

A torre estará igualmente fechada no sábado, devido às festividades de 14 de julho, dia da Bastilha, feriado nacional francês.

A presidente da câmara parisiense, Anne Hidalgo, anunciou a instalação para o jogo da final de um écran gigante e outros secundários nos Campos de Marte, e a manutenção do plano de segurança já previsto no feriado de sábado.

O responsável da polícia de Paris, Michel Delpuech, já tinha informado que a capital e os arredores terão um reforço especial de 12 000 polícias e 3 000 socorristas para a final de domingo.

A França, que foi finalista derrotada no Euro 2016 diante de Portugal, está no final do Mundial da Rússia, na qual defronta no domingo a Croácia, em Moscovo, em jogo agendado para as 16.00 (horas de Lisboa).

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.