Hazard satisfeito por Messi e Ronaldo terem dito adeus à Rússia

Extremo belga do Chelsea diz que com as eliminações de Argentina e Portugal a sua seleção, a Bélgica, fica com melhores possibilidades de êxito em solo russo

O futebolista Eden Hazard, capitão da seleção da Bélgica a disputar o Mundial 2018, disse este domingo que as eliminações de Portugal, de Cristiano Ronaldo, e Argentina, de Lionel Messi, são "uma pena para eles, mas melhor" para os belgas.

"É bom para nós, mas uma pena para eles. Quando amamos o futebol, queremos ver os melhores, mas ao estar na competição, queremos que vão embora para termos melhores possibilidades", explicou o jogador do Chelsea.

Se, para o espetáculo, as eliminações lusas e argentinas são "uma pena", como jogador está "muito contente" porque estes resultados fazem da Bélgica "mais candidata ao título".

A Bélgica defronta na segunda-feira o Japão nos oitavos de final da prova, fase em que Messi e a Argentina saíram, após perderem por 4-3 com a França, à semelhança de Portugal, derrotado 2-1 pelo Uruguai.

Depois do jogo, Cristiano Ronaldo manifestou estar "confiante e feliz" por saber que "a seleção vai continuar sempre a dar o seu melhor", tendo "um grupo fantástico, com jovens jogadores e grande ambição de vencer".

"Agora não é a altura de falar do futuro", disse, questionado sobre se iria continuar a representar a equipa das quinas, uma vez que terá 35 anos no próximo Europeu, em que Portugal defende o título, e 37 no próximo Mundial, em 2022.

Já Fernando Santos manifestou a vontade de Ronaldo continuar com a seleção e ajudar "na nova competição em setembro", a Liga das Nações da UEFA, e continuar a ajudar os jovens, ao terem "o capitão com eles".

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."