Campeonato do Mundo fechou com 169 golos, a dois do recorde

A competição terminou com 169 golos, o terceiro melhor registo de sempre em termos absolutos, apenas a dois do recorde da prova, partilhado pelas edições de 1998 e 2014.

Após uma final com seis golos, o triunfo da França sobre a Croácia por 4-2, a edição russa fechou com a média de 2,64 golos por encontro, sendo que todas as 32 seleções presentes marcaram, pelo menos, dois golos.

Os 169 tentos passam a ocupar a última posição do pódio, oito acima dos 161 da edição de 2002, realizada na Coreia do Sul e no Japão.

Em termos de média, os 5,38 tentos por encontro de 1954 - com 140 golos em 26 jogos - continuam a liderar, sendo um registo aparentemente insuperável.

Coletivamente, a Bélgica foi a seleção mais goleadora, ao concluir a prova com 16 golos, contra 14 das duas finalistas, a França e a Croácia.

Individualmente, brilhou acima de todos Harry Kane, que marcou seis tentos, tornando-se o segundo inglês a coroar-se o 'rei' dos marcadores, 32 anos depois de Gary Lineker, no México, na edição de 1986.

O ponta de lança do Tottenham marcou mais dois tentos do que um quinteto, formado pelo belga Romelu Lukaku, os franceses Antoine Griezmann e Kylian Mbappé, o português Cristiano Ronaldo e o russo Denis Cheryshev.

Destaque ainda para os 22 penáltis concretizados, dos 29 assinalados, muitos com intervenção decisiva do VAR, e os 12 golos na própria baliza.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Operação Marquês

Granadeiro chama 5.º mais rico do mundo para o defender

O quinto homem mais rico do mundo, o mexicano Carlos Slim Helú, é uma das 15 testemunhas que Henrique Granadeiro nomeou para serem ouvidas na fase de instrução do processo Marquês. Começa hoje a defesa do antigo líder da Portugal Telecom, que é acusado de ter recebido 24 milhões de euros do GES para beneficiar o grupo em vários negócios.