Campeões mundiais distinguidos com a Legião de Honra

Equipa de 2018 vai ter o mesmo tratamento que a seleção de 1998. Há 30 anos o presidente era Jacques Chirac, agora é Emmanuel Macron

Os futebolistas da seleção francesa de e o selecionador Didier Deschamps, vencedores do Mundial 2018, vão receber a Legião de Honra, a distinção máxima em França, segundo fontes do Palácio do Eliseu, citadas pela agência EFE.

Tal como fez o antigo presidente Jacques Chirac, quando a França venceu o seu primeiro Mundial, em 1998, o atual chefe máximo do país, Emmanuel Macron, vai distinguir os jogadores e o treinador que conquistaram no domingo o Mundial, na Rússia.

A cerimónia terá lugar dentro de alguns meses, no palácio do Eliseu.

A equipa francesa será recebida pela ministra do desporto francês, Laura Flessel.Os campeões do Mundo seguirão depois num autocarro panorâmico com destino ao Arco do Triunfo, onde vão festejar com os adeptos até aos Campos Elísios, antes de serem recebidos pelo presidente do país, Emmanuel Macron , no palácio presidencial.

A França sagrou-se campeã do Mundo de futebol pela segunda vez no domingo, ao bater a Croácia por 4-2, em jogo realizado em Moscovo, no Estádio Luzhniki.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?