Mulher de Schumacher diz que o marido "não desistirá"

Corinna Schumacher respondeu a carta de do músico alemão Sascha Herchebach, que recentemente compôs uma música dedicada ao antigo campeão mundial de Fórmula 1

A mulher de Michael Schumacher, Corinna, disse que o marido "é um lutador e não desistirá" em resposta a uma carta enviada pelo músico alemão Sascha Herchebach e fã do antigo piloto, também alemão, que não foi mais visto desde que sofreu um grave acidente de esqui em 2013.

O artista, que recentemente compôs uma música dedicada ao heptacampeão mundial, revelou o conteúdo da carta escrita por Corinna: "Gostaria de agradecê-lo pela mensagem e pelo presente neste período difícil. É bom receber tantos votos e palavras reconfortantes. É um grande apoio à nossa família. Todos sabemos que o Michael é um lutador e não desistirá."

Quase cinco anos depois do acidente (a 29 de dezembro de 2013) na estância de Maribel, em França, o estado de saúde de Michael Schumacher, sete vezes campeão do Mundo de Fórmula 1 entre 1994 e 2004 (pela Benetton e Ferrari), é um dos segredos mais bem guardados do mundo. Pouco se sabe sobre as reais sequelas sofridas pelo piloto alemão, que bateu com a cabeça numa rocha quando esquiava e sofreu um grave traumatismo craniano que o deixou em coma. Sabe-se que está na sua casa, em Gland, na Suíça, junto ao lago Genebra, numa sala sob a supervisão de uma equipa médica composta por 15 pessoas e coordenada pelo clínico Richard Frackowiak.

Em agosto deste ano foi noticiado que a família de Schumacher tinha comprado e se iria mudar para uma propriedade em Andratx, na ilha de Maiorca, que pertencia ao presidente do Real Madrid, Florentino Pérez. No entanto, a informação foi prontamente desmentida.

A última informação médica sobre o estado de saúde do piloto germânico, de 48 anos, data de setembro de 2014, quando deixou o hospital de Lausana e se mudou para casa. "Tendo em conta os graves ferimentos que ele sofreu, têm sido feitos progressos nas últimas semanas e meses. Há ainda, no entanto, um longo e difícil caminho pela frente. Daqui em diante, a reabilitação do Michael [Schumacher] vai decorrer em sua casa", lia-se numa nota emitida pela família.

A privacidade em torno de Michael Schumacher tem sido cumprida à risca a 100%. Ou quase. As exceções foram uma notícia em agosto de 2014, sobre o alegado roubo de um relatório médico sobre o piloto no hospital de Grenoble que alguém terá tentado vender à imprensa. E um processo movido pela família a uma revista alemã que escreveu que Schumacher já conseguia andar sem a ajuda de terapeutas e que já conseguia levantar um braço. Mas o advogado da família, Felix Damm, negou todas estas informações. Corinna e Sabine Kehm, assessora de confiança da família, têm conseguido blindar de forma exemplar tudo o que rodeia o atual estado do germânico.

Mais recentemente, em 2016, foi igualmente notícia que um paparazzo estaria a tentar vender a vários órgãos de comunicação do mundo uma alegada fotografia do piloto na cama do hospital, exigindo um milhão de euros. Mas a verdade é que essa fotografia nunca foi publicada, provavelmente com medo de fortes represálias legais de um possível processo judicial movido pela família do piloto alemão.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...