Vamos na segunda jornada e Mourinho já perdeu

Manchester United batido sem apelo nem agravo no terreno do modesto Brighton por 3-2. Erros na primeira parte ditaram o rumo do encontro

E ao segundo jogo o Manchester United perdeu na Premier League. Na época passada apenas na 9.ª jornada os red devils foram desfeiteados, na altura no terreno do Huddersfield. Neste domingo o Brighton venceu por 3-1, com o resultado a fazer-se na primeira parte.

Em dois minutos tudo se desmoronou. Aos 25' o veterano Glenn Murray fez o 1-0, aos 27' foi a vez do defesa irlandês Shane Duffy. É certo que aos 34' Lukaku conseguiu reduzir distâncias com um cabeceamento perto da linha de golo que Mathew Ryan não conseguiu deter. Porém, Baily cometeu um penálti escusado que De Gea quase conseguia suster depois de um mau remate de Pascal Gross, que acabou por ter alguma felicidade.


Refira-se que já na época passada o Brighton tinha recebido e batido o Manchester United de José Mourinho com um golo solitário de Pascal Gross.

Mourinho ainda apostou em Lingard, Rashford e Fellaini mas o melhor que conseguiu foi o 2-3 na cobrança de uma grande penalidade, apontada nos descontos a punir um eventual derrube de Fellaini. Vida difícil para o treinador português cujo cargo não parece seguro, principalmente depois de se ter falado na possibilidade de Zidane o substituir.

Pode consultar a classificação da Premier League aqui.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.

Premium

Opinião

Angola, o renascimento de uma nação

A guerra do Kosovo foi das raras seguras para os jornalistas. Os do poder, os kosovares sérvios, não queriam acirrar ainda mais a má vontade insana que a outra Europa e a América tinham contra eles, e os rebeldes, os kosovares muçulmanos, viam nas notícias internacionais o seu abono de família. Um dia, 1998, 1999, não sei ao certo, eu e o fotógrafo Luís Vasconcelos íamos de carro por um vale ladeado, à direita, por colinas - de Mitrovica para Pec, perto da fronteira com o Montenegro. E foi então que vi a esteira de sucessivos fumos, adiantados a nós, numa estrada paralela que parecia haver nas colinas.