Vamos na segunda jornada e Mourinho já perdeu

Manchester United batido sem apelo nem agravo no terreno do modesto Brighton por 3-2. Erros na primeira parte ditaram o rumo do encontro

E ao segundo jogo o Manchester United perdeu na Premier League. Na época passada apenas na 9.ª jornada os red devils foram desfeiteados, na altura no terreno do Huddersfield. Neste domingo o Brighton venceu por 3-1, com o resultado a fazer-se na primeira parte.

Em dois minutos tudo se desmoronou. Aos 25' o veterano Glenn Murray fez o 1-0, aos 27' foi a vez do defesa irlandês Shane Duffy. É certo que aos 34' Lukaku conseguiu reduzir distâncias com um cabeceamento perto da linha de golo que Mathew Ryan não conseguiu deter. Porém, Baily cometeu um penálti escusado que De Gea quase conseguia suster depois de um mau remate de Pascal Gross, que acabou por ter alguma felicidade.


Refira-se que já na época passada o Brighton tinha recebido e batido o Manchester United de José Mourinho com um golo solitário de Pascal Gross.

Mourinho ainda apostou em Lingard, Rashford e Fellaini mas o melhor que conseguiu foi o 2-3 na cobrança de uma grande penalidade, apontada nos descontos a punir um eventual derrube de Fellaini. Vida difícil para o treinador português cujo cargo não parece seguro, principalmente depois de se ter falado na possibilidade de Zidane o substituir.

Pode consultar a classificação da Premier League aqui.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.