Mourinho por Zidane? "Lugar não está livre", diz o Manchester United

Português é o favorito das casas de apostas para ser o primeiro treinador despedido na Premier League, mas fonte do clube de Old Trafford negou à BBC que o técnico esteja em risco de saída.

O arranque de temporada do Manchester United tem sido marcado pelas polémicas internas, com José Mourinho no epicentro do furacão. O treinador português manifestou diversas vezes a sua insatisfação pela inação do clube no mercado de transferências, onde só conseguiu dois reforços (o brasileiro Fred e o português Dalot), tem alegadamente vários conflitos abertos com jogadores como Pogba e com o diretor executivo, Ed Woodward, e viu a equipa perder já na segunda jornada do campeonato, na deslocação ao Brighton.

O cenário fez disparar rumores sobre um possível despedimento do treinador português, que em janeiro passado renovou o contrato com os red devils até 2020, e o nome de Mourinho encabeça mesmo as listas das casas de apostas sobre qual será o primeiro treinador a ser despedido na Premier League. Na Skybet, por exemplo, a aposta no português rende três vezes o montante apostado, enquanto Pep Guardiola (treinador do campeão Manchester City), no outro extremo, está cotado a 100 para 1.

O nome de Zidane tem sido lançado como um possível candidato a substituir Mourinho, com o jornal francês L'Équipe a publicar há alguns dias que o ex-técnico do Real Madrid tem como próximo objetivo treinar o clube de Old Trafford. Mas uma fonte da administração do Manchester United negou nesta terça-feira, à BBC, que o clube esteja a considerar a troca: "Porque é que haveríamos de discutir o nome de Zidane se o lugar não está disponível?"

José Mourinho está na sua terceira temporada como treinador do Manchester United, clube com o qual ganhou uma Supertaça inglesa, uma Taça da Liga e uma Liga Europa na sua primeira época em Old Trafford. Na Premier League, foi sexto em 2016-17 e segundo na temporada passada. Atualmente, o Manchester United está em nono, ao fim de duas rondas no novo campeonato.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.