Mourinho em rota de colisão com diretor do Manchester United

A má planificação da digressão pelos Estados Unidos e a ausência de reforços têm deixado o treinador português irritado

Alta tensão no Manchester United. As relações entre o treinador José Mourinho e o vice-presidente Ed Wodward estão mais complicadas do que nunca. E tudo por causa da ausência dos reforços pedidos pelo técnico português.

Segundo o jornal Daily Mail, Mourinho entregou há alguns meses uma lista com cinco jogadores que pretendia ver contratados para fortalecer o plantel, mas até agora nenhum dos indicados chegou... "Gostava de ter mais jogadores, mas creio que possivelmente só terei um", adiantou o treinador na última conferência de imprensa, na digressão pelos Estados Unidos, onde disputa a International Champions Cup, na qual empatou 1-1 com o AC Milan (derrota nos penáltis) e foi goleado pelo Liverpool por 1-4. No sábado despede-se desta prova com o duelo com a Juventus.

A verdade é que, apesar dos pedidos de José Mourinho, Ed Wodward já deixou claro ao técnico que não está na disposição de gastar mais dinheiro em novos futebolistas, tal como aconteceu nas épocas anteriores. Ainda assim, o Manchester United já investiu 80 milhões de euros nas contratações de Diogo Dalot, Fred e Lee Grant, sendo que, neste momento, para chegarem mais reforços a Old Trafford será preciso vender algum jogador.

Outro grande foco de tensão vai para as queixas internas de Mourinho no que diz respeito à forma como foi planificada a digressão pelos Estados Unidos. E, neste caso, segundo o Daily Mail, a administração do United mostra-se surpreendida, uma vez que foi o próprio treinador português a dar o seu consentimento à forma como foi preparada a pré-temporada, incluindo o facto de os jogadores que estiveram no Mundial ainda não integrarem o plantel por causa das férias.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.