Mourinho em rota de colisão com diretor do Manchester United

A má planificação da digressão pelos Estados Unidos e a ausência de reforços têm deixado o treinador português irritado

Alta tensão no Manchester United. As relações entre o treinador José Mourinho e o vice-presidente Ed Wodward estão mais complicadas do que nunca. E tudo por causa da ausência dos reforços pedidos pelo técnico português.

Segundo o jornal Daily Mail, Mourinho entregou há alguns meses uma lista com cinco jogadores que pretendia ver contratados para fortalecer o plantel, mas até agora nenhum dos indicados chegou... "Gostava de ter mais jogadores, mas creio que possivelmente só terei um", adiantou o treinador na última conferência de imprensa, na digressão pelos Estados Unidos, onde disputa a International Champions Cup, na qual empatou 1-1 com o AC Milan (derrota nos penáltis) e foi goleado pelo Liverpool por 1-4. No sábado despede-se desta prova com o duelo com a Juventus.

A verdade é que, apesar dos pedidos de José Mourinho, Ed Wodward já deixou claro ao técnico que não está na disposição de gastar mais dinheiro em novos futebolistas, tal como aconteceu nas épocas anteriores. Ainda assim, o Manchester United já investiu 80 milhões de euros nas contratações de Diogo Dalot, Fred e Lee Grant, sendo que, neste momento, para chegarem mais reforços a Old Trafford será preciso vender algum jogador.

Outro grande foco de tensão vai para as queixas internas de Mourinho no que diz respeito à forma como foi planificada a digressão pelos Estados Unidos. E, neste caso, segundo o Daily Mail, a administração do United mostra-se surpreendida, uma vez que foi o próprio treinador português a dar o seu consentimento à forma como foi preparada a pré-temporada, incluindo o facto de os jogadores que estiveram no Mundial ainda não integrarem o plantel por causa das férias.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.