Mourinho em rota de colisão com diretor do Manchester United

A má planificação da digressão pelos Estados Unidos e a ausência de reforços têm deixado o treinador português irritado

Alta tensão no Manchester United. As relações entre o treinador José Mourinho e o vice-presidente Ed Wodward estão mais complicadas do que nunca. E tudo por causa da ausência dos reforços pedidos pelo técnico português.

Segundo o jornal Daily Mail, Mourinho entregou há alguns meses uma lista com cinco jogadores que pretendia ver contratados para fortalecer o plantel, mas até agora nenhum dos indicados chegou... "Gostava de ter mais jogadores, mas creio que possivelmente só terei um", adiantou o treinador na última conferência de imprensa, na digressão pelos Estados Unidos, onde disputa a International Champions Cup, na qual empatou 1-1 com o AC Milan (derrota nos penáltis) e foi goleado pelo Liverpool por 1-4. No sábado despede-se desta prova com o duelo com a Juventus.

A verdade é que, apesar dos pedidos de José Mourinho, Ed Wodward já deixou claro ao técnico que não está na disposição de gastar mais dinheiro em novos futebolistas, tal como aconteceu nas épocas anteriores. Ainda assim, o Manchester United já investiu 80 milhões de euros nas contratações de Diogo Dalot, Fred e Lee Grant, sendo que, neste momento, para chegarem mais reforços a Old Trafford será preciso vender algum jogador.

Outro grande foco de tensão vai para as queixas internas de Mourinho no que diz respeito à forma como foi planificada a digressão pelos Estados Unidos. E, neste caso, segundo o Daily Mail, a administração do United mostra-se surpreendida, uma vez que foi o próprio treinador português a dar o seu consentimento à forma como foi preparada a pré-temporada, incluindo o facto de os jogadores que estiveram no Mundial ainda não integrarem o plantel por causa das férias.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."