Mourinho deixa Estados Unidos com vitória sobre o Real Madrid

O Manchester United venceu por 2-1 no adeus à International Champions Cup. Noutro jogo, o Barcelona foi perdeu com a Roma com golo de ex-benfiquista

Acabou da melhor maneira a digressão do Manchester United pelos Estados Unidos. A equipa de José Mourinho venceu, na madrugada desta quarta-feira em Miami, o Real Madrid por 2-1, em partida que fechou a participação dos red devils na International Champions Cup.

O chileno Alexis Sánchez abriu o marcador para o United e, ainda antes da meia-hora, o espanhol Ander Herrera aumentou a vantagem da equipa de José Mourinho, que viu o vencedor das três últimas edições da Liga dos Campeões reduzir a diferença ainda antes do intervalo através do francês Karim Benzema.

No final da partida, Mourinho foi corrosivo quando questionado sobre o balanço em relação à pré-temporada nos Estados Unidos. "Não aprendi nada com esta digressão. Sei quem é o Herrera, o Mata, o Sánchez e sei que os jovens são mesmo muito jovens e precisam de tempo para crescer. Sei que os meus jogadores deram tudo, que lutámos pelo melhor resultado, mas taticamente não significa nada", atirou o treinador português, fazendo questão de dizer que os seus jogadores "foram incríveis em toda a pré-temporada" pela forma como se comportaram frente a "boas equipas".

Refira-se que os merengues estrearam o brasileiro Vinícius Júnior, de apenas 18 anos, contratado ao Flamengo.

Noutra partida desta International Champions Cup, em Dallas, a AS Roma venceu o Barcelona por 4-2. Rafinha colocou os catalães em vantagem, tendo El Shaarawy chegado ao empate ainda antes do intervalo.

Na segunda parte, o estreante Malcom voltou a colocar o Barcelona a vencer por 2-1, mas nos últimos 12 minutos, a Roma deu a volta ao resultado com golos de Florenzi, do ex-benfiquista Bryan Cristante e ainda através de Diego Perotti, na transformação de um penálti. Nos catalães, o português Nélson Semedo foi titular, tendo sido substituído aos 62 minutos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

Compreender Marques Mendes

Em Portugal, há recorrentemente espaço televisivo para políticos no activo comentarem notícias generalistas, uma especificidade no mundo desenvolvido. Trata-se de uma original mistura entre comentário político e espaço noticioso. Foquemos o caso mais saliente dos dias que correm para tentar perceber a razão dessa peculiaridade nacional. A conclusão é que ela não decorre da ignorância das audiências, da falta de especialistas sobre os temas comentados, ou da inexistência de jornalistas capazes. A principal razão é que este tipo de comentário serve acima de tudo uma forma de fazer política.