Mourinho deixa Estados Unidos com vitória sobre o Real Madrid

O Manchester United venceu por 2-1 no adeus à International Champions Cup. Noutro jogo, o Barcelona foi perdeu com a Roma com golo de ex-benfiquista

Acabou da melhor maneira a digressão do Manchester United pelos Estados Unidos. A equipa de José Mourinho venceu, na madrugada desta quarta-feira em Miami, o Real Madrid por 2-1, em partida que fechou a participação dos red devils na International Champions Cup.

O chileno Alexis Sánchez abriu o marcador para o United e, ainda antes da meia-hora, o espanhol Ander Herrera aumentou a vantagem da equipa de José Mourinho, que viu o vencedor das três últimas edições da Liga dos Campeões reduzir a diferença ainda antes do intervalo através do francês Karim Benzema.

No final da partida, Mourinho foi corrosivo quando questionado sobre o balanço em relação à pré-temporada nos Estados Unidos. "Não aprendi nada com esta digressão. Sei quem é o Herrera, o Mata, o Sánchez e sei que os jovens são mesmo muito jovens e precisam de tempo para crescer. Sei que os meus jogadores deram tudo, que lutámos pelo melhor resultado, mas taticamente não significa nada", atirou o treinador português, fazendo questão de dizer que os seus jogadores "foram incríveis em toda a pré-temporada" pela forma como se comportaram frente a "boas equipas".

Refira-se que os merengues estrearam o brasileiro Vinícius Júnior, de apenas 18 anos, contratado ao Flamengo.

Noutra partida desta International Champions Cup, em Dallas, a AS Roma venceu o Barcelona por 4-2. Rafinha colocou os catalães em vantagem, tendo El Shaarawy chegado ao empate ainda antes do intervalo.

Na segunda parte, o estreante Malcom voltou a colocar o Barcelona a vencer por 2-1, mas nos últimos 12 minutos, a Roma deu a volta ao resultado com golos de Florenzi, do ex-benfiquista Bryan Cristante e ainda através de Diego Perotti, na transformação de um penálti. Nos catalães, o português Nélson Semedo foi titular, tendo sido substituído aos 62 minutos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.