Mourinho chega a acordo com o fisco espanhol: pena transformada em multa

Mourinho e a autoridade tributária espanhola acordaram os termos para concluir o processo de dois delitos fiscais de uma fraude de mais de três milhões de euros.

A notícia é do El Mundo: o treinador do Manchester United vai aceitar a condenação a um ano de prisão, convertida em multa, pela prática de dois delitos fiscais relacionados com uma fraude de 3,3 milhões relacionados com direitos de imagem.

Na prática, o treinador vai desembolsar 669.323 euros, uma vez que em 2014 já tinha desembolsado 4,4 milhões de euros em taxas, coimas e juros relativos a uma primeira investigação.

Segundo o título espanhol, Mourinho vai aceitar por escrito ter ocultado ao fisco espanhol os seus rendimentos relacionados com os direitos de imagem dos anos de 2011 e 2012, que recebeu através de uma empresa sedeada num paraíso fiscal, as Ilhas Virgens Britânicas.

Em contrapartida, a justiça aceitará a comutação da pena de prisão em multa.

O caso de José Mourinho envolve verbas menos avultadas, mas terá o mesmo final que o de Cristiano Ronaldo, que vai pagar 19 milhões de euros de multa.

O El Mundo lembra que quer o empresário Jorge Mendes, quer o advogado Carlos Osorio, "verdadeiro cérebro jurídico" do esquema de ocultação de rendimentos, não foram chamados a responder.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.