Mourinho chega a acordo com o fisco espanhol: pena transformada em multa

Mourinho e a autoridade tributária espanhola acordaram os termos para concluir o processo de dois delitos fiscais de uma fraude de mais de três milhões de euros.

A notícia é do El Mundo: o treinador do Manchester United vai aceitar a condenação a um ano de prisão, convertida em multa, pela prática de dois delitos fiscais relacionados com uma fraude de 3,3 milhões relacionados com direitos de imagem.

Na prática, o treinador vai desembolsar 669.323 euros, uma vez que em 2014 já tinha desembolsado 4,4 milhões de euros em taxas, coimas e juros relativos a uma primeira investigação.

Segundo o título espanhol, Mourinho vai aceitar por escrito ter ocultado ao fisco espanhol os seus rendimentos relacionados com os direitos de imagem dos anos de 2011 e 2012, que recebeu através de uma empresa sedeada num paraíso fiscal, as Ilhas Virgens Britânicas.

Em contrapartida, a justiça aceitará a comutação da pena de prisão em multa.

O caso de José Mourinho envolve verbas menos avultadas, mas terá o mesmo final que o de Cristiano Ronaldo, que vai pagar 19 milhões de euros de multa.

O El Mundo lembra que quer o empresário Jorge Mendes, quer o advogado Carlos Osorio, "verdadeiro cérebro jurídico" do esquema de ocultação de rendimentos, não foram chamados a responder.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.