Montero: "Podemos formar um grande plantel"

O colombiano mostrou-se confiante para a próxima época e elogiou José Peseiro.

O avançado colombiano Fredy Montero mostrou-se esta sexta-feira convicto de que o Sporting tem futebolistas com talento e disposição para formarem um grande plantel.

"Todos estão com a disposição a 100% e cada jogador tem o seu talento, tenho a convicção de que podemos formar um grande plantel", afirmou Montero, em declaração ao canal televisivo do clube, após o treino matinal.

O avançado colombiano referiu que José Peseiro, o novo treinador do Sporting, "tem um estilo muito pessoal" e defendeu a importância dos jogadores terem de estar concentrados para aprender.

"É um treinador que aposta muito na posse de bola" disse Montero, considerando que com a qualidade do plantel vai ser fácil para os jogadores adaptarem-se ao novo estilo.

Montero, de 30 anos, admitiu que nesta fase inicial de preparação da época, os treinos têm bastante carga física, necessária os jogadores voltarem a adquirir ritmo competitivo.

O plantel do Sporting, que cumpre o quarto dia de trabalho sob as ordens de José Peseiro, treinou hoje de manhã no relvado, depois de ter efetuado trabalho de ginásio

Segundo informação divulgada pelo clube, o treinador integrou nos trabalhos o jovem guarda-redes Diogo Sousa, tendo Carlos Mané trabalhado condicionado, por estar a recuperar de uma lesão, tal como Gelson Dala e Bruno César, ambos em gestão de esforço.

A equipa treina hoje às 16:30. e no sábado às 09:30, descansando no domingo.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.