Modric: "Ronaldo felicitou-me e disse que eu merecia o prémio"

Médio croata que venceu o prémio da UEFA para melhor jogador do ano confessou que recebeu uma mensagem de CR7 e garante que as relações entre ambos são boas

A eleição de Luka Modric como melhor jogador do ano da UEFA fez correr muita tinta e até levou o empresário Jorge Mendes, que defende os interesses de Cristiano Ronaldo, a dizer que se tratou de algo "simplesmente ridículo". Pois bem, esta quinta-feira, após o Portugal-Croácia, o jogador que foi colega de equipa de CR7 no Real Madrid confessou que o próprio Ronaldo o felicitou.

"Estou feliz por estar nos finalistas [do The Best] e o que acontecer, acontecerá. Há pessoas a decidir. Tenho uma boa relação com o Ronaldo, continuará na mesma. Para mim os prémios individuais são importantes, mas mais importante são os coletivos. Não estou obcecado com isso. Já falámos. Ele mandou-me uma mensagem a felicitar-me [pelo prémio da UEFA]. Disse que estava feliz e que eu merecia o prémio. E disse também que queria ver-me em breve. Só isso, temos uma boa relação", disse Modric em relações à RTP3.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.