Modric: "Ronaldo felicitou-me e disse que eu merecia o prémio"

Médio croata que venceu o prémio da UEFA para melhor jogador do ano confessou que recebeu uma mensagem de CR7 e garante que as relações entre ambos são boas

A eleição de Luka Modric como melhor jogador do ano da UEFA fez correr muita tinta e até levou o empresário Jorge Mendes, que defende os interesses de Cristiano Ronaldo, a dizer que se tratou de algo "simplesmente ridículo". Pois bem, esta quinta-feira, após o Portugal-Croácia, o jogador que foi colega de equipa de CR7 no Real Madrid confessou que o próprio Ronaldo o felicitou.

"Estou feliz por estar nos finalistas [do The Best] e o que acontecer, acontecerá. Há pessoas a decidir. Tenho uma boa relação com o Ronaldo, continuará na mesma. Para mim os prémios individuais são importantes, mas mais importante são os coletivos. Não estou obcecado com isso. Já falámos. Ele mandou-me uma mensagem a felicitar-me [pelo prémio da UEFA]. Disse que estava feliz e que eu merecia o prémio. E disse também que queria ver-me em breve. Só isso, temos uma boa relação", disse Modric em relações à RTP3.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.