Seleção croata com as principais estrelas no Algarve

O médio Luka Modric, eleito melhor jogador do Mundial 2018, encabeça a convocatória da seleção da Croácia para o jogo particular com Portugal, agendado para 6 de setembro, no Estádio Algarve.

O jogador do Real Madrid e capitão da seleção lidera a lista dos vice-campeões do Mundo divulgada pelo selecionador Zlatko Dalic, que inclui também outras figuras da campanha realizada na Rússia, como Ivan Rakitic (Barcelona), Dejan Lovren (Liverpool) ou Ivan Perisic (Inter).

Em sentido inverso, ficaram de fora o guarda-redes Daniel Subasic, do Mónaco, e o avançado Mario Mandzukic, da Juventus, depois de ambos terem anunciado a sua retirada da seleção após o Campeonato do Mundo, bem como o defesa Ivan Strinic (AC Milan), que suspendeu provisoriamente a carreira na sequência da descoberta de um problema cardíaco.

Além do jogo com a equipa das quinas, a convocatória croata abrange ainda o encontro com Espanha, no dia 11 de setembro, em Elche, que marca a estreia das duas seleções na Liga das Nações.

Os 25 convocados:

- Guarda-redes: Lovre Kalinic (Gent/Bel), Dominik Livakovic (Dinamo Zagreb) e Karlo Letica (Club Brugge/Bel).

- Defesas: Domagoj Vida (Besiktas/Tur), Dejan Lovren (Liverpool/Ing), Sime Vrsaljko (Inter/Ita), Josip Pivaric (Dinamo Kiev/Ucr), Tin Jedvaj (Bayer Leverkusen/Ale), Matej Mitrovic (Club Brugge/Bel), Borna Barisic (Rangers/Esc) e Antonio Milic (Anderlecht/Bel).

- Médios: Luka Modric (Real Madrid/Esp), Ivan Rakitic (Barcelona/Esp), Mateo Kovacic (Chelsea/Ing), Milan Badelj (Lazio/Ita), Marcelo Brozovic (Inter/Ita), Marko Rog (Nápoles/Ita), Mario Pasalic (Atalanta/Ita) e Filip Bradaric (Cagliari/Ita).

- Avançados: Ivan Perisic (Inter/Ita), Andrej Kramaric (Hoffenheim/Ale), Ante Rebic (Eintracht Frankfurt/Ale), Marko Pjaca (Fiorentina/Ita), Ivan Santini (Anderlecht/Bel) e Marko Livaja (AEK/Gre).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.