Rui Oliveira encerra participação portuguesa com um 4.º lugar

O ciclista Rui Oliveira concluiu este domingo no quarto lugar a prova de omnium, em pista, dos II Jogos Europeus, a 11 pontos do bronze, em Minsk.

O atleta luso terminou com 126 pontos, em prova arrebatada pelo holandês Willem Van Schip com 178, seguido do suíço Thery Schir, com 144, e do polaco Staniszewski, com 126.

No scratch, Rui Oliveira foi sexto entre os 16 ciclistas em prova, concluída pelo polaco Daniel Staniszewski em 11.43 minutos.

A segunda prova, tempo, integrou um quarteto de terceiros classificados com dois pontos, afastados do suíço Franck Thery, com 20, e do holandês Willem van Schip.

Na corrida a eliminar terminou em sétimo, na de pontos conquistaria 25.

Portugal concluiu os II Jogos Europeus com 15 medalhas, três delas de ouro, conquistadas pela seleção de futebol de praia, por Fu Yu, na competição de singulares femininos de ténis de mesa, e Carlos Nascimento, nos 100 metros.

A representação lusa amealhou ainda seis de prata, pela equipa de judo, pelo ciclista Nelson Oliveira no contrarrelógio, pelas ginastas acrobatas Bárbara Sequeira, Francisca Maia e Francisca Sampaio Maia, nas provas de combinado e de exercício dinâmico, e por Fernando Pimenta, em K1 1.000 e K1 5.000 metros.

Na prova de equilíbrio, as três ginastas também conquistaram uma medalha de bronze, tal como a judoca Telma Monteiro (-57 kg), a estafeta mista dos 4x400 metros, Diogo Ganchinho, nos trampolins, a karateca Patrícia Esparteiro, em kata, e a seleção masculina de ténis de mesa no torneio por equipas.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.