Mihajlovic apresenta queixa contra o Sporting no Tribunal Arbitral do Desporto

O treinador sérvio avançou com uma queixa contra os leões no Tribunal Arbitral do Desporto (TAD), por entender ter sido despedido do clube ​​​​​​sem justa causa, e exige uma indemnização.

Citado hoje pelo jornal italiano Gazzetta dello Sport, Mihajlovic, de 49 anos, descreve a forma como chegou a acordo com o ex-presidente dos leões, Bruno de Carvalho, para um contrato de três anos, assinado a 18 de junho. Porém, a destituição de Bruno de Carvalho em Assembleia Geral no dia 23 precipitou a entrada em funções da Comissão de Gestão, que anulou o vínculo do sérvio a 27 de junho, quatro dias antes de entrar em vigor.

"O clube despediu-me do cargo alegando que ainda não tinha passado o período experimental previsto pelos regulamentos portugueses para contratos entre clubes e treinadores. Mas esta justificação é absolutamente infundada, já que na altura o contrato não tinha sequer começado e eu ainda estava de férias na Sardenha", declarou.

Mihajlovic revelou que ele e a sua equipa técnica derem instruções ao seu advogado, o ex-diretor da FIFA Paolo Lombardi, "para proceder perante o TAD de Lausana no sentido de se obter o ressarcimento previsto em caso de despedimento". Os documentos deram entrada no tribunal sediado na Suíça na sexta-feira.

"Agora espero, não posso fazer outra coisa. Tem sido um verão longo. Demasiado para o meu gosto. Em 30 anos de carreira como futebolista e treinador, nunca me tinha acontecido assistir a um comportamento semelhante. Vou fazer valer os meus direitos até ao fim, isso é certo", acrescentou.

O despedimento de Mihajlovic do Sporting foi oficializado em 28 de junho pela SAD leonina, liderada por Sousa Cintra, num comunicado a informar o mercado de que tinha procedido "à denúncia, durante o período experimental, com efeitos imediatos, do contrato de trabalho" do treinador.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.