Miguel Oliveira despede-se da Moto2 com vitória em Valência

Vitória do português valeu o título mundial de equipas à Red Bull KTM Ajo.

O português Miguel Oliveira despediu-se hoje da Moto2 com uma vitória no Grande Prémio de Valência, a terceira da temporada, que valeu o título mundial de equipas à Red Bull KTM Ajo.

O piloto da KTM, que partiu da décima posição da grelha, terminou as 25 voltas ao traçado Ricardo Tormo com o tempo de 45.07,679 minutos, deixando atrás de si os espanhóis Iker Lecuona (Swiss Ivestors KTM), a 13,201 segundos, e Alex Márquez (Marc VDS Kalex) a 22,175 segundos.

Com este resultado, e devido à queda do italiano Luca Marini (Sky VR46) e ao 14.º lugar do também transalpino Francesco Bagnaia, a equipa do português assegurou o título, com 498 pontos contra os 453 da Sky.

No campeonato de pilotos, Miguel Oliveira terminou no segundo lugar, nove pontos atrás de Bagnaia, antes de subir às MotoGP no próximo ano.

"Os primeiros quilómetros com MotoGP serão feitos com muita calma..."

"Terminar com uma vitória era o que procurávamos. A forma como o fizemos foi muito positiva. Com as condições tão complicadas como estavam era preciso ser inteligente e jogar pelo seguro. As condições da pista estavam muito traiçoeiras, era fácil cometer um erro. Acabei por gerir bem esta corrida e terminar na frente, que era o nosso objetivo", sublinhou Miguel Oliveira, em declarações à Lusa após a sua terceira vitória da temporada.

Agora segue-se a subida à categoria rainha, as MotoGP, com a Tech 3 KTM. Os primeiros testes decorrem já a partir de terça-feira, no circuito Ricardo Tormo, em Valência, onde o piloto da KTM fez soar a portuguesa.

"Os primeiros quilómetros com MotoGP serão feitos com muita calma, levar o meu tempo e dar o maior número de voltas possível na pista", explicou à Lusa. Quanto aos resultados que espera em 2019, é claro: "Não tenho nenhuma expectativa", concluiu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.