Miguel Albuquerque confirma estar com Frederico Varandas

Diretor do futsal leonino publicou um post no Facebook no qual admite que as suas ideias para as modalidades estão plasmadas no manifesto eleitoral do candidato, a quem reconhece "competência". Elucidativo

Miguel Albuquerque, diretor do futsal do Sporting, esclareceu os últimos rumores quanto ao seu posicionamento nas eleições do clube que se realizam a 8 de setembro. Começa por garantir que não será candidato e que foi "contactado por alguns candidatos" a ocupar um cargo no Conselho Diretivo.

Sobre Frederico Varandas, Miguel Albuquerque é mais esclarecedor. "Confirmo que fui contactado pelo Dr Frederico Varandas a quem reconheço competência e enorme sentido de missão, para que eu seja o responsável das modalidades caso ele seja eleito Presidente do Sporting CP. Transmiti-lhe a minha visão das modalidades e o que podem ser no futuro com trabalho sério e competente contribuindo com as minhas ideias para o seu manifesto eleitoral na esperança que possa contribuir para o engrandecimento das mesmas."

Em suma, Miguel Alburquerque afirma que as suas ideias estão plasmadas no programa de Frederico Varandas, mostrando assim a sua inclinação.

Eis o post na íntegra

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.