Miguel Albuquerque confirma estar com Frederico Varandas

Diretor do futsal leonino publicou um post no Facebook no qual admite que as suas ideias para as modalidades estão plasmadas no manifesto eleitoral do candidato, a quem reconhece "competência". Elucidativo

Miguel Albuquerque, diretor do futsal do Sporting, esclareceu os últimos rumores quanto ao seu posicionamento nas eleições do clube que se realizam a 8 de setembro. Começa por garantir que não será candidato e que foi "contactado por alguns candidatos" a ocupar um cargo no Conselho Diretivo.

Sobre Frederico Varandas, Miguel Albuquerque é mais esclarecedor. "Confirmo que fui contactado pelo Dr Frederico Varandas a quem reconheço competência e enorme sentido de missão, para que eu seja o responsável das modalidades caso ele seja eleito Presidente do Sporting CP. Transmiti-lhe a minha visão das modalidades e o que podem ser no futuro com trabalho sério e competente contribuindo com as minhas ideias para o seu manifesto eleitoral na esperança que possa contribuir para o engrandecimento das mesmas."

Em suma, Miguel Alburquerque afirma que as suas ideias estão plasmadas no programa de Frederico Varandas, mostrando assim a sua inclinação.

Eis o post na íntegra

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.