Miguel Albuquerque confirma estar com Frederico Varandas

Diretor do futsal leonino publicou um post no Facebook no qual admite que as suas ideias para as modalidades estão plasmadas no manifesto eleitoral do candidato, a quem reconhece "competência". Elucidativo

Miguel Albuquerque, diretor do futsal do Sporting, esclareceu os últimos rumores quanto ao seu posicionamento nas eleições do clube que se realizam a 8 de setembro. Começa por garantir que não será candidato e que foi "contactado por alguns candidatos" a ocupar um cargo no Conselho Diretivo.

Sobre Frederico Varandas, Miguel Albuquerque é mais esclarecedor. "Confirmo que fui contactado pelo Dr Frederico Varandas a quem reconheço competência e enorme sentido de missão, para que eu seja o responsável das modalidades caso ele seja eleito Presidente do Sporting CP. Transmiti-lhe a minha visão das modalidades e o que podem ser no futuro com trabalho sério e competente contribuindo com as minhas ideias para o seu manifesto eleitoral na esperança que possa contribuir para o engrandecimento das mesmas."

Em suma, Miguel Alburquerque afirma que as suas ideias estão plasmadas no programa de Frederico Varandas, mostrando assim a sua inclinação.

Eis o post na íntegra

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.