Médicos otimistas com recuperação de Niki Lauda

Antigo piloto de fórmula 1 realizou um transplante de pulmão

Niki Lauda, antigo piloto de fórmula 1, realizou um transplante de pulmão e, no seguimento de algumas notícias dando conta de que o austríaco estava em estado crítico, a equipa que o operou atualizou o seu estado clínico nesta sexta-feira. "Neste momento está tudo a desenvolver-se muito bem e estamos muito satisfeitos", revelou Walter Klepetko, um dos dois médicos que operaram o antigo piloto de 69 anos, como refere a agência APA.

O médico explicou ainda que, dada a idade de Niki Lauda, o ex-piloto vai ter de ficar mais algum tempo internado.

O austríaco foi submetido na quinta-feira a um transplante de pulmão na sequência de uma grave condição pulmonar que terá sido desencadeada por um vírus. Foi imediatamente operado e agora, de acordo com os médicos, terá de ficar em repouso no hospital.

Niki Lauda foi três vezes campeão do Mundo de fórmula 1 (1975, 1977 e 1984). A carreira do piloto ficou marcada por um grave acidente no GP da Alemanha, em 1976, quando o seu Ferrari pegou fogo. Lauda esteve quase dois meses internados e foi obrigado a fazer várias cirurgias plásticas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.