Mbappé: "Quero fazer ainda melhor, mas campeão do Mundo já é bom"

Avançado francês marcou um dos golos da final (4-2, frente à Croácia) e foi eleito o melhor jogador jovem do Campeonato do Mundo. Griezmann ficou desnorteado com o título: "Nem sei onde estou! Estou muito feliz."

Kylian Mbappé sagrou-se este domingo campeão do Mundo aos 19 anos e dedicou o triunfo (frente à Croácia, 4-2) ao povo francês. "Estou muito feliz. Tinha fixado as minhas ambições em termos coletivos no início do Mundial. A estrada foi longa mas valeu a pena. Estamos orgulhosos por termos deixado os franceses contentes. Tivemos esse papel, de fazê-los esquecer todos os problemas. Jogamos por esse tipo de causas", disse o jogador do PSG.

Mbappé foi eleito o melhor jovem do Mundial 2018, ele que marcou um golo na final e passou a ser o segundo mais jovem a marcar numa final de um mundial depois de Pelé (18 anos em 1958). Mas quer mais: "Não estou apenas de passagem pelo futebol: ser campeão do Mundo é uma mensagem. Quero fazer ainda melhor, mas campeão do Mundo já é bom. Trabalhámos toda a temporada e agora é hora de celebrar".

Já Antoine Griezmann foi eleito o terceiro melhor jogador do Mundial 2018, depois de Modric e Hazard, e teve dificuldade em encontrar as palavras certas para o momento em que a França se sagrou campeã do Mundo na Rússia.

"Nem sei onde estou! Estou muito feliz. Foi um jogo muito difícil, a Croácia fez uma grande partida. Entrámos no jogo de forma tímida, mas conseguimos fazer a diferença. Estamos ansiosos por levar a taça de volta para França", explicou, no final do jogo à TF1.

O avançado francês foi ainda eleito o melhor jogador da final e admitiu ainda que podia ter batido o penálti, que deu o 2-1, de outra forma: "Hesitei sobre marcar à Panenka, à Zidane. Mas preferi abrir o pé."

Paul Pogba e o sonho de criança

"Fizemos a França vibrar. Esperamos que eles estejam orgulhosos de nós. Obrigado! É extraordinário. É um sonho de criança. Eu não tenho voz! Hoje, eu disse que estávamos a 90 minutos de fazer história para a vida, para fazer a França vibrar. É magnífico", desabafou Pogba, já depois de receber a medalha e de ter beijado o troféu de campeão do mundo.

Já Olivier Giroud revelou como foram os primeiros festejos: "Celebrámos no balneário com o presidente da França, Emmanuel Macron, que esteve presente, tal como Vladimir Putin e também a presidente croata, que quis dar-nos os parabéns. Estamos em euforia."

E Adil Rami: "Orgulho de mostrar que não sou um bandido"

"Campeão Mundial? Não é nada, é normal para nós! (risos). Não, é uma coisa louca ... Não me atrevo a imaginar o que está a acontecer em França. Temos um país que tem sofrido muito. Sou francês de origem marroquina e tenho orgulho disso, orgulho de mostrar que não sou um bandido, orgulho de dar ao meu país uma alegria destas. Gosto da França. Estou muito feliz por todos. Este país merece isso. Hoje, todos estão a festejar, mas tornar-se campeão mundial no desporto mais popular do mundo não é fácil. Isso requer muito sacrifício, muito trabalho", disse Adil Rami.

O orgulho do capitão, aquele que levantou a Taça

Hugo Lloris, foi ele que levantou a taça, mas depois teve de i ao controlo antidoping: "Os meus colegas já têm umas bebidas de avanço, mas vamos recuperar rapidamente. Vamos juntar-nos e celebrar juntos. E segunda-feira com os franceses."

"É bom ver os franceses alegres, com um sorriso, vê-los com lágrimas. É assim que gostamos de ver o nosso país e o futebol tem esse poder. É por isso que jogamos futebol. Temos muito mérito e podemos orgulhar-nos de nós próprios. Há muito trabalho por trás deste título", lembrou o guarda-redes sem esquecer o lance do 4-1: "Anedótico."

Como capitão, foi ele que levantou o troféu de campeão do mundo: "É um grande privilégio, como capitão, ter erguido o troféu e agradeço a todos os meus companheiros de equipa por permitirem que a França tenha vencido. Ainda para mais tinha na bancada a minha avó, os meus irmãos, o meu pai, a minha mulher e as duas filhas."

As lágrimas de Pavard

Já Benjamin Pavard lembrou onde estava quando a França perdeu o Euro 2016: "O que fizemos é enorme. Estou muito feliz pelo grupo todo. Há dois anos estava com os meus amigos numa fan zone em Lille a ver o Euro2016. Há um ano, jogava na segunda divisão alemã. Aqui, fui titular e campeão do mundo. Nos últimos dois ou três minutos do encontro, derramei lágrimas. Agora é saborear com a equipa e com a família, pois estas coisas são muito raras."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Pode a clubite tramar um hacker?

O hacker português é provavelmente uma história à portuguesa. Rapaz esperto, licenciado em História e especialista em informática, provavelmente coca-bichinhos, tudo indica, toupeira da internet, fã de futebol, terá descoberto que todos os estes interesses davam uma mistura explosiva, quando combinados. Pôs-se a investigar sites, e-mails de fundos de jogadores, de jogadores, de clubes de jogadores, de agentes de jogadores e de muitas entidades ligadas a esse estranho e grande mundo do futebol.

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.