Verstappen e Vettel os dois vencedores do GP Áustria

Holandês somou, aos 20 anos, o quarto triunfo da carreira, Vettel foi terceiro e já comanda o Mundial de pilotos. Os dois pilotos da Mercedes desistiram

O holandês Max Verstappen, da Red Bull, conquistou este domingo o Grande Prémio da Áustria, em Spielberg, palco da nona prova do Mundial de Fórmula 1, numa corrida marcada pelo abandono dos dois pilotos da Mercedes.

No Red Bull Ring, o finlandês Valtteri Bottas e o britânico Lewis Hamilton arrancaram dos dois primeiros lugares da grelha, mas não completaram as 71 voltas, ambos devido a problemas mecânicos.

Bottas teve problemas com o seu Mercedes logo na 14.ª volta, enquanto Hamilton ficou apenas a sete voltas de pelo menos manter a liderança do Mundial de pilotos.

Aproveitou Verstappen, de 20 anos, para somar o quarto triunfo da carreira, mas o outro vencedor da tarde foi a Ferrari e o alemão Sebastian Vettel, que foi terceiro e ultrapassou Hamilton no topo do campeonato, passando a somar mais um ponto que o britânico. Raikkonen, da escuderia italiana foi segundo.

Verstappen terminou com apenas 1,504 segundo de vantagem sobre o finlandês, enquanto Vettel ficou a 3.181 do vencedor.

Após oito corridas, o alemão lidera o Mundial de pilotos com 146 pontos, mais um que Hamilton, agora segundo, enquanto Kimi Raikkonen subiu a terceiro, com 101.

A Ferrari passou também a comandar o campeonato de construtores, com 247, mais 10 que a Mercedes.

A 10.ª ronda do Mundial de Fórmula está agendada já para o próximo fim de semana, em 8 de julho, com o Grande Prémio da Grã-Bretanha, no mítico circuito de Silverstone.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.