Verstappen e Vettel os dois vencedores do GP Áustria

Holandês somou, aos 20 anos, o quarto triunfo da carreira, Vettel foi terceiro e já comanda o Mundial de pilotos. Os dois pilotos da Mercedes desistiram

O holandês Max Verstappen, da Red Bull, conquistou este domingo o Grande Prémio da Áustria, em Spielberg, palco da nona prova do Mundial de Fórmula 1, numa corrida marcada pelo abandono dos dois pilotos da Mercedes.

No Red Bull Ring, o finlandês Valtteri Bottas e o britânico Lewis Hamilton arrancaram dos dois primeiros lugares da grelha, mas não completaram as 71 voltas, ambos devido a problemas mecânicos.

Bottas teve problemas com o seu Mercedes logo na 14.ª volta, enquanto Hamilton ficou apenas a sete voltas de pelo menos manter a liderança do Mundial de pilotos.

Aproveitou Verstappen, de 20 anos, para somar o quarto triunfo da carreira, mas o outro vencedor da tarde foi a Ferrari e o alemão Sebastian Vettel, que foi terceiro e ultrapassou Hamilton no topo do campeonato, passando a somar mais um ponto que o britânico. Raikkonen, da escuderia italiana foi segundo.

Verstappen terminou com apenas 1,504 segundo de vantagem sobre o finlandês, enquanto Vettel ficou a 3.181 do vencedor.

Após oito corridas, o alemão lidera o Mundial de pilotos com 146 pontos, mais um que Hamilton, agora segundo, enquanto Kimi Raikkonen subiu a terceiro, com 101.

A Ferrari passou também a comandar o campeonato de construtores, com 247, mais 10 que a Mercedes.

A 10.ª ronda do Mundial de Fórmula está agendada já para o próximo fim de semana, em 8 de julho, com o Grande Prémio da Grã-Bretanha, no mítico circuito de Silverstone.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.