Marta Soares diz que candidatura de Bruno de Carvalho não lhe chegou

Presidente da Mesa da Assembleia Geral do Sporting afirmou nesta segunda-feira aos jornalista que não recusou "nenhuma lista" aos órgãos sociais do clube.

Jaime Marta Soares reagiu ao resultado da providência cautelar que o obriga a admitir a candidatura de Bruno de Carvalho, assegurando que nunca recusou qualquer lista candidata aos órgãos sociais do clube.

"Gostaria de dar uma explicação sobre algo que ainda não chegou oficialmente à nossa mão. Para nós foi uma surpresa muito grande, já que dissemos desde a primeira hora que qualquer proponente de lista o poderia fazer, bastava acordar a hora e o dia. Nunca nos chegou por parte de ninguém com o respetivo mandatário a apresentação de qualquer lista. Não recusámos nenhuma lista. Tem de marcar com o presidente da Mesa a entrega da lista, com o respetivo mandatário. Irei à porta recebê-los e cumprirei as 48 horas para responder", afirmou nesta segunda-feira aos jornalistas.

"Quero aqui assumir que não recusámos nenhuma lista que fosse apresentada formalmente com o respetivo mandatário", reiterou o presidente da Mesa da Assembleia Geral do Sporting.

Surpreendido com a notícia de que a lista do ex-presidente leonino estaria nesta segunda-feira em Alvalade para formalizar a candidatura, o dirigente diz que não vai estar nas instalações do clube: "Marta Soares diz que candidatura de Bruno de Carvalho não lhe chegou."

Refira-se que o prazo para entrega de candidaturas aos órgãos sociais do Sporting expira esta quarta-feira.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.