Marta Soares aceitou assinaturas para a AG, mas rejeitou candidatura de Bruno de Carvalho

Sócio que entregou as assinaturas para a marcação de uma AG diz que teve de chamar a polícia e criticou postura do líder da MAG do Sporting

Nuno Sousa, sócio dos 'leões' e líder da petição, reuniu-se com Marta Soares durante a manhã desta sexta-feira no Estádio José Alvalade, em Lisboa, revelando, entre várias acusações, a forma como o presidente da MAG e a vice-presidente Eduarda Proença de Carvalho tentaram alterar o auto de receção das assinaturas para um auto de entrega.

"Na entrega das assinaturas pedimos um auto de receção das mesmas e começaram a destratar-me, mas já estava à espera. Fiz a contabilização das páginas (777), Eduarda Proença de Carvalho foi aos serviços e quando voltou para a sala entregou-nos o auto mal preenchido", começou por contar à comunicação social.

O porta voz da petição insistiu em esclarecer como tudo acabou por "descambar", dizendo que foi provocado constantemente e que acabou por chamar a PSP (Polícia de Segurança Pública) para conseguir formalizar a sua intenção.

"Nisto, Marta Soares deu como terminada a reunião e deu ordem à segurança para me por fora da sala. Isto tudo numa tentativa de nos provocar, a elevar a voz. O auto de entrega teria de ser de receção e o nível baixou, comprimiram-me o espaço. Tive que chamar a polícia, porque me senti coagido e não conseguiram os seus intentos", declarou.

Com a chegada da PSP, Nuno Sousa sublinhou que "a atitude de Jaime Marta Soares mudou completamente", com o então auto de receção devidamente preenchido.

Contudo, Nuno Sousa tinha em mente entregar também a candidatura do antigo presidente 'leonino' Bruno de Carvalho, mais uma vez rejeitada.

"O próximo passo foi a lista com mais de 1.500 votos e para tentar entregar a candidatura de Bruno de Carvalho. Não consegui, porque disse que tinha de marcar uma reunião com ele e informá-lo, mas ele [Jaime Marta Soares] só tinha que passar um auto da mesma forma", lamentou.

Além de Bruno de Carvalho, anunciaram candidaturas ao ato eleitoral, marcado para 08 de setembro, Pedro Madeira Rodrigues, Carlos Vieira, Frederico Varandas, Fernando Tavares Pereira, Dias Ferreira, Zeferino Boal e João Benedito.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.