Marega volta aos trabalhos no Olival

O regresso do internacional maliano destacou-se esta quarta-feira nos trabalhos dos dragões, que prepara a receção de sexta-feira ao Desportivo de Chaves, na estreia na Taça da Liga.

Depois de terça-feira terem sido reintegrados Sérgio Oliveira (Portugal) e Aboubakar (Camarões), esta quarta-feira foi a vez de Marega, sendo que Sérgio Conceição continua sem contar com Bruno Costa e Diogo Leite (Portugal Sub-21), Felipe e Éder Militão (Brasil) e Chidozie (Nigéria).

O panorama clínico mantém-se, com o guarda-redes Diogo Costa em trabalho de ginásio e treino condicionado e o defesa congolês Mbemba em tratamento e trabalho de ginásio.

Mais preocupante é a situação dos avançados, com André Pereira e Soares em tratamento e trabalho de ginásio, e Aboubakar a fazer o mesmo, além de treino condicionado.

Face a estas ausências, Sérgio Conceição socorreu-se de Diego Landis, Pedro Justiniano e Rui Costa, jogadores da equipa B.

O grupo volta a trabalhar na quinta-feira às 16.00, à porta fechada, no Centro de Treinos e Formação Desportiva PortoGaia, no Olival.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."