Marcel Keizer: "Podemos jogar melhor, mas o importante era vencer"

O treinador do Sporting admitiu que foi bom marcar antes do intervalo e destacou a importância de Bruno Fernandes na equipa

Marcel Keizer, treinador do Sporting, estava satisfeito com o triunfo por 3-1 no final da partida, mas advertiu que a exibição não foi aquela que esperava por parte dos seus jogadores.

"Podemos jogar melhor do que isto, mas o mais importante era vencer e fizemos isso", começou por dizer, admitindo que "foi bom" marcar antes do intervalo. "Na segunda parte continuámos a fazer o nosso jogo, mas é difícil fazer um jogo de posse bola num campo pequeno como este. Fizemos isso nos primeiros minutos, depois eles pressionaram e jogámos mais longo", explicou.

Sobre os dois golos de Bruno Fernandes, o técnico holandês deixou claro que "todos os jogadores são importantes, mas Bruno Fernandes é muito importante e todos sabem isso", admitindo depois que os golos que a equipa tem sofrido são "uma preocupação", pelo que "é preciso pensar nisso". "Não foram todos comigo, mas desde que eu cheguei temos sofrido muitos e isso é algo que temos que melhorar. Ainda temos muitos jogos importantes para realizar e vamos continuar a melhorar para ter resultados", sublinhou.

O Sporting mantém assim os sete pontos de atraso em relação ao terceiro classificado, o Sp. Braga, mas Keizer prefere não olhar para isso. "A motivação é boa, os meus jogadores trabalham sempre para a vitória e isso é que é importante", frisou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.