Maradona: treinador no México e presidente na Bielorrússia

Antigo astro argentino já deu o primeiro treino no Dorados de Sinaloa, da segunda divisão mexicana, quase dois meses depois de ter sido recebido em festa como novo presidente do Dínamo de Brest

'D10S' é um popular tetragrama dedicado a Maradona, que aproveita a inicial de Diego e o número que usava na camisola para o catalogar como uma divindade futebolística. Diós. D10S.

Um deus da bola, que apura agora também o dom da omnipresença. Em Sinaloa, estado mexicano famoso por abrigar um dos mais poderosos cartéis de droga americanos, Diego Armando Maradona é agora o novo motivo de atração mediática. O astro argentino deu na segunda-feira o primeiro treino como novo treinador do Dorados de Sinaloa, clube da segunda divisão que tenta a subida à elite do futebol mexicano, naquele que é a sua terceira aventura nos bancos desde que deixou o comando da seleção argentina em 2010 - a última experiência tinha sido no Al-Fujairah, dos Emiratos Árabes Unidos, de onde saiu em março passado.

Mas o mais insólito nesta aventura é que Maradona é também, por estes dias, presidente do clube bielorrusso Dínamo de Brest, a 10 mil quilómetros de distância, onde foi recebido em festa nem há dois meses, a meio de julho, após o término do Mundial de futebol - onde Maradona, lá está, foi também uma figura em destaque nas bancadas.

A apresentação de Maradona na Bielorrússia foi digna de feriado carnavalesco, com cheerleaders, desfile em carro aberto, estádio lotado e anúncio de direito a mansão luxuosa para a estadia em Brest, onde, alegadamente, Diego Maradona iria ser o presidente do Conselho Estratégico do Dínamo para o futebol durante os próximos três anos.

Na altura, Maradona afirmou mesmo ter a certeza de que iria "viver tranquilamente aqui na Bielorrússia". Isso foi a 16 de julho. Desde então, o argentino não voltou a ser visto em Brest e foi esta semana notícia do outro lado do mundo, anunciado como o novo treinador do Dorados de Sinaloa, onde também foi recebido em festa por milhares de adeptos do "Gran Pez" (Grande Peixe, apelido do clube).

"Bem-vindo D10egol. Confiamos em ti, Diego. Aqui não criticamos, apenas admiramos", dizia um cartaz exibido por adeptos mexicanos no primeiro treino dado pelo argentino, que conquistou o título mundial pela Argentina precisamente no México, em 1986.

Em conferência de imprensa, Maradona garantiu que chega com objetivos sérios a Sinaloa. "Não viemos de férias. Viemos trabalhar e podemos garantir a quem está connosco que vamos fazer um bom trabalho", disse, prometendo ainda um futebol de ataque: "Não gosto de defender, vamos ser uma equipa ofensiva."

As explicações bielorrussas

A apresentação de Maradona no México fez com que, a leste, o Dínamo de Brest tivesse necessidade de dar explicações aos adeptos. O que fez num comunicado, esclarecendo o papel de Maradona no clube bielorrusso. "As suas principais funções são a divulgação do futebol bielorrusso, o desenvolvimento de infraestruturas, participação em operações de transferências, atração de patrocinadores e desenvolvimento do futebol infantil e juvenil. Assim, Diego Maradona continua a ocupar o cargo de Presidente do Conselho, acumulando-o com o cargo de diretor técnico do clube mexicano", informou o Dínamo de Brest.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.