Maradona é desde esta segunda-feira presidente do Dínamo Brest

Antiga glória da Argentina vai ser responsável por questões administrativas, mas também pelo futebol e reforços para a equipa bielorrussa

Diego Maradona é desde esta segunda-feira o novo presidente do Dínamo Brest, clube que disputa a I Liga da Bielorrússia e com o qual a antiga glória da Argentina firmou um contrato de três anos. O ex-jogador foi apresentado no início de um jogo realizado esta segunda-feira à tarde. Antes disso, o clube promoveu uma conferência de imprensa para apresentar o novo estádio que pretende construir.

Na verdade, Maradona vai assumir o cargo de líder do conselho executivo do Dínamo Brest, pois a figura de presidente não existe no clube bielorrusso. As suas novas funções vão desde questões administrativas a assuntos desportivos, passando também pela contratação de reforços e gestão da academia.

O clube foi fundado em 1960, mas só há seis anos recebeu a denominação atual. Na época passada foi quarto classificado no campeonato e chegou a disputar a Liga Europa, onde saiu na segunda eliminatória.

Maradona, que esteve presente no Mundial da Rússia como convidado, foi até abril treinador do Al-Fujairah, clube da II divisão dos Emirados Árabes Unidos. Mas deixou o cargo depois de ter falhado a subida de divisão.

Veja aqui o futuro estádio do Dínamo Brest:

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.