Maradona é desde esta segunda-feira presidente do Dínamo Brest

Antiga glória da Argentina vai ser responsável por questões administrativas, mas também pelo futebol e reforços para a equipa bielorrussa

Diego Maradona é desde esta segunda-feira o novo presidente do Dínamo Brest, clube que disputa a I Liga da Bielorrússia e com o qual a antiga glória da Argentina firmou um contrato de três anos. O ex-jogador foi apresentado no início de um jogo realizado esta segunda-feira à tarde. Antes disso, o clube promoveu uma conferência de imprensa para apresentar o novo estádio que pretende construir.

Na verdade, Maradona vai assumir o cargo de líder do conselho executivo do Dínamo Brest, pois a figura de presidente não existe no clube bielorrusso. As suas novas funções vão desde questões administrativas a assuntos desportivos, passando também pela contratação de reforços e gestão da academia.

O clube foi fundado em 1960, mas só há seis anos recebeu a denominação atual. Na época passada foi quarto classificado no campeonato e chegou a disputar a Liga Europa, onde saiu na segunda eliminatória.

Maradona, que esteve presente no Mundial da Rússia como convidado, foi até abril treinador do Al-Fujairah, clube da II divisão dos Emirados Árabes Unidos. Mas deixou o cargo depois de ter falhado a subida de divisão.

Veja aqui o futuro estádio do Dínamo Brest:

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.