Mancini encontrou a explicação para a seca de golos de Cristiano Ronaldo

Selecionador de Itália fala na adaptação do internacional português à Serie A do Calcio como principal causa da ausência de golos do português nos primeiros três jogos do campeonato.

Ao fim de três jornadas disputadas na liga italiana, zero golos para Cristiano Ronaldo. Nada de alarme, até porque o caso não é para isso - na época passada também passou por situação idêntica no início da época e acabou a liga espanhola com 27 golos-, mas os adeptos da Juventus anseiam pelos golos do melhor jogador do Mundo.

Em Itália a seca de golos do internacional português tem sido o assunto do dia e até o selecionador italiano Roberto Mancini foi questionado sobre isso e revelou a sua teoria apontando o dedo ao sistema defensivo do calcio.

"Há momentos onde, simplesmente, as coisas não aparecem. Não me parece que o Cristiano vá ter problemas em voltar aos golos. Está num momento difícil, mas é algo normal para os avançados. Em Itália, as equipas defendem sempre no seu próprio meio-campo e Ronaldo não tem tantos espaços como tinha em Espanha, onde se joga outro tipo de futebol", afirmou o técnico italiano.

O próprio Ronaldo também parece ser da mesma ideia e por isso falou com o selecionador português, Fernando Santos, para o dispensar destes dois jogos da seleção, com a Croácia (particular) e Itália (Liga das Nações) para continuar o trabalho de adaptação a uma nova realidade futebolística, algo novo para ele que nós últimos nove anos jogou no Real Madrid.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.