Mancini encontrou a explicação para a seca de golos de Cristiano Ronaldo

Selecionador de Itália fala na adaptação do internacional português à Serie A do Calcio como principal causa da ausência de golos do português nos primeiros três jogos do campeonato.

Ao fim de três jornadas disputadas na liga italiana, zero golos para Cristiano Ronaldo. Nada de alarme, até porque o caso não é para isso - na época passada também passou por situação idêntica no início da época e acabou a liga espanhola com 27 golos-, mas os adeptos da Juventus anseiam pelos golos do melhor jogador do Mundo.

Em Itália a seca de golos do internacional português tem sido o assunto do dia e até o selecionador italiano Roberto Mancini foi questionado sobre isso e revelou a sua teoria apontando o dedo ao sistema defensivo do calcio.

"Há momentos onde, simplesmente, as coisas não aparecem. Não me parece que o Cristiano vá ter problemas em voltar aos golos. Está num momento difícil, mas é algo normal para os avançados. Em Itália, as equipas defendem sempre no seu próprio meio-campo e Ronaldo não tem tantos espaços como tinha em Espanha, onde se joga outro tipo de futebol", afirmou o técnico italiano.

O próprio Ronaldo também parece ser da mesma ideia e por isso falou com o selecionador português, Fernando Santos, para o dispensar destes dois jogos da seleção, com a Croácia (particular) e Itália (Liga das Nações) para continuar o trabalho de adaptação a uma nova realidade futebolística, algo novo para ele que nós últimos nove anos jogou no Real Madrid.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.