Mais um feito para Roger Federer: o 100.º título ATP

Tenista suíço reforça argumentos para o debate sobre o melhor de sempre, ao chegar no Dubai ao 100.º título na carreira

Aos 37 anos, Roger Federer venceu na final do torneio no Dubai um dos nomes mais promissores da nova geração, o grego Stefano Tsitsipas, por 6-4 e 6-4, reforçando assim a lenda daquele que é indiscutivelmente um dos maiores nomes (se não o maior) da história da modalidade.

O suíço, que ganhou o seu primeiro torneio em fevereiro de 2001, em Milão, quando Tsitsipas não tinha ainda sequer três anos, chegou este sábado ao centésimo título ATP na carreira, entrando para um clube elitista que só conhece mais um membro, na Era Open do ténis (desde 1968): trata-se do norte-americano Jimmy Connors, que ganhou 109 torneios de singulares entre 1979 e 1996.

Atual sétimo classificado no 'ranking' mundial, Federer vingou a eliminação nos oitavos de final do Open da Austrália, em janeiro, frente ao grego, 11.º da hierarquia, num encontro que teve a duração de uma hora e 11 minutos.

Federer, recorde-se, é o recordista de títulos do Grand Slam [conjunto dos quatro principais torneios: Wimbledon, Roland-Garrros, Open da Austrália e Open dos EUA], com 20, e detém uma extensa lista de outros recordes no circuito masculino, como o número de semanas como n.1 mundial: 237.

Em termos de partidas ganhas, o suíço também só perde ainda para Jimmy Connors: 1180 para 1256.

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.