Madeira Rodrigues recusa união proposta por Ricciardi

José Eduardo, homem-forte para o futebol na lista do banqueiro, confirma contactos para agregar outras candidaturas

José Maria Ricciardi lançou um repto de união na apresentação da sua candidatura, quarta-feira, no Centro Cultural de Belém - onde Zeferino Boal, um ex-candidato, já apareceu entre os seus apoiantes - e tem-se desdobrado em contactos com outras listas no sentido de poder agregar mais sensibilidades. Sobretudo com as de Pedro Madeira Rodrigues e de Dias Ferreira, como confirmou ao DN José Eduardo, escolhido por Ricciardi para homem-forte do futebol leonino em caso de vitórias eleitoral.

No entanto, contactado pelo nosso jornal, um dos candidatos em questão, Pedro Madeira Rodrigues, recusou esse cenário. O gestor lembra que tentou essa união em torno da sua lista e que deixou até uma vice-presidência em aberto nesse sentido e frisou que a sua candidatura é "das mais adiantadas em termos de equipa e de projeto". "Este barco já vai muito lançado", disse ao DN, rejeitando a hipótese de abdicar em favor de José Maria Ricciardi.

"Fui a pessoa que mais falou com todos e continuo a ouvir opiniões e disponível para falar com toda a gente. Tenho a consciência tranquila quanto a isso", referiu sobre o facto de o universo leonino aparecer tão fracionado nestas eleições. De resto, Pedro Madeira Rodrigues acha que "os sócios não devem preocupar-se muito com isso". "A união será feita depois. No final ajudar-nos-emos uns aos outros. Estou recetivo a isso, caso ganhe, como estou convencido, ou caso não ganhe".

José Eduardo confirma contactos... inconclusivos

Ainda assim, a entourage de José Maria Ricciardi não perde a esperança de conseguir unir mais algumas candidaturas atuais em volta do banqueiro. Ao DN, José Eduardo, o homem escolhido para liderar todo o futebol leonino na lista de Ricciardi, confirmou que "já houve contactos com essas duas candidaturas [Pedro Madeira Rodrigues e Dias Ferreira], mas não foram conclusivos".

É mau para o Sporting ter o seu universo tão fracionado

A última candidatura a apresentar-se à corrida eleitoral luta contra a dispersão atual de candidatos às eleições de dia 8 de setembro. "É mau para o Sporting ter o seu universo tão fracionado. Vamos continuar a fazer esse esforço. A mensagem foi muito clara na nossa apresentação: queremos unir o Sporting, integrar, evitar essa dispersão", referiu José Eduardo, que não limita esse esforço de união às candidaturas de Pedro Madeira Rodrigues e de Dias Ferreira. "Se calhar já houve mais conversas com outras pessoas. Não têm que ser os líderes de cada candidatura a falar diretamente. Há várias pessoas a tentar estabelecer pontes."

José Eduardo sublinhou que ficou dado "um sinal claro" dessa vontade agregadora com a "entrada de Zeferino Boal". Se vai haver mais candidatos a juntarem-se a Ricciardi ou não... "não depende só de nós", diz. "É sempre preciso haver vontade das duas partes para haver um casamento".

Bruno de Carvalho "perigoso"

Para já, as candidaturas em marcha são oito: além das de José Maria Ricciardi, Pedro Madeira Rodrigues e Dias Ferreira, estão na corrida Frederico Varandas, Fernando Tavares Pereira, João Benedito, Carlos Vieira e Bruno de Carvalho, o presidente destituído a 23 de junho.

Ainda sem confirmação oficial de que Bruno de Carvalho e Carlos Vieira [vice-presidente de Bruno de Carvalho na anterior direção] possam ir a votos - estão a contas com processos disciplinares -, José Eduardo refere que "qualquer movimento Bruno de Carvalho, tenha a cara que tiver, é perigoso" para o Sporting. "Por isso é que foi destituído. É um caso gravíssimo de anomalias comportamentais".

O DN tentou também ouvir Dias Ferreira quanto a uma possível união com a lista de José Maria Ricciardi, mas não foi possível até ao momento.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.