Luz recebe mais jogos da seleção que Dragão e Alvalade juntos

Nos últimos 15 anos, desde o Euro2004, o recinto do Benfica é de longe o que acolhe mais jogos de Portugal. São 21 em 85 desafios, entre oficiais e particulares, muito distante de Alvalade e Dragão, que juntos só chegam aos 16. Maior lotação explica preferência.

Desde o Euro 2004, organizado por Portugal, que o Estádio da Luz tem sido o palco preferencial dos jogos da seleção nacional. Do total de 85 partidas disputadas desde o início desse Campeonato da Europa, contabilizando jogos oficiais e particulares, 21 foram realizadas no Estádio da Luz, em Lisboa. Seguem-se, com oito jogos, os estádios do Dragão, Alvalade, Leiria e Algarve.

A explicação parece simples. A Luz é o estádio em Portugal com maior lotação, com capacidade para 65.647 espectadores. Seguem-se Alvalade e o Dragão, com 50.000. E como habitualmente os jogos da equipa das quinas, sobretudo os oficiais, costumam registar grandes enchentes, esta é uma forma de a Federação Portuguesa de Futebol (FPF) conseguir mais pessoas nos jogos. O DN contactou a FPF para obter mais informações, mas até à hora da publicação deste texto não obteve resposta.

O estádio do FC Porto, contudo, vai receber em junho a meia-final da Liga das Nações, contra a Suíça, e se Portugal passar a final também se joga no Dragão. E para Alvalade foi marcado precisamente nesta terça-feira o jogo frente ao Luxemburgo, da fase de qualificação para o Euro2020, agendado para 11 de outubro.

"Nos últimos anos, a seleção nacional tem efetuado jogos em diversos estádios do país, o que de resto sucede com todas as seleções nacionais dos diferentes escalões. Em junho estaremos no norte, que escolhemos para receber a Liga das Nações, e em outubro disputaremos um jogo muito importante com o Luxemburgo, em Alvalade. Estamos certos que, tal como aconteceu na recente dupla jornada de qualificação, os portugueses estarão nos estádios ao lado da seleção nestes compromissos tão importantes", reagiu esta terça-feira Fernando Gomes, líder da FPF, depois de anunciar que Alvalade voltaria a receber um jogo da seleção, algo que não acontecia desde setembro de 2015.

Curiosamente, em março de 2017, por ocasião de um Portugal-Hungria a contar para o apuramento do Mundial 2018, que a equipa das quinas venceu por 3-0, surgiram notícias a dar conta de que a direção do Benfica ponderou deixar de receber jogos de Portugal, devido a cânticos contra o clube da Luz entoados por uma claque afeta à seleção, na altura liderada por Fernando Madureira, dos Super Dragões. Mas o episódio acabou por ser rapidamente sanado.

Os dois recentes jogos de qualificação para o Euro 2020, diante da Ucrânia e Sérvia, separados por três dias, que terminaram empatados, acentuaram ainda mais esta preferência pelo Estádio da Luz, que desde o Euro 2004 recebeu 21 partidas - 17 oficiais e quatro particulares. Alvalade e o Dragão estão empatados neste item, com sete jogos oficiais e um particular cada. Também com um total de oito, mas com maior número de jogos amigáveis, estão os recintos do Algarve e de Leiria - neste caso foram três desafios oficiais e cinco particulares.

Contas feitas, e em termos de percentagem, o Estádio da Luz recebeu 24,7% do total de jogos da seleção desde o Euro 2004. Se contabilizarmos só as partidas oficiais (fase final do Euro2004 e apuramentos para Europeus e Mundiais), a média é ainda maior: 34%.

Nos últimos 15 anos, a Luz recebeu mais jogos da seleção (21) do que os estádios de FC Porto e Sporting juntos (16). O Dragão vai em breve equilibrar um pouco mais estas contas, pois vai receber a 5 de junho o Portugal-Suíça das meias-finais da Liga das Nações. Caso a equipa das quinas supere os helvéticos, tem um novo jogo agendado para o Dragão, precisamente a final da prova, agendada para 9 de junho - se discutir o terceiro e quarto lugar, será em Guimarães. E para Alvalade está agendado o Portugal-Luxemburgo, a 11 de outubro.

Como curiosidade refira-se que o último jogo da seleção realizado no Estádio do Dragão aconteceu em maio de 2016, num particular em que Portugal venceu a Noruega, por 3-0, com golos de Quaresma, Raphäel Guerreiro e Éder. Já o último jogo em Alvalade foi em setembro de 2015, igualmente um amigável, numa receção à França, que a equipa das quinas perdeu por 0-1. Por isso, esta terça-feira, quando a FPF anunciou o Portugal-Luxemburgo para Alvalade a 11 de outubro, Frederico Varandas reagiu com satisfação.

"Estamos muito satisfeitos com a decisão da Federação Portuguesa de Futebol. Não recebemos, no Estádio José Alvalade, um jogo da seleção desde 2015. É o regresso da nossa seleção, campeã em título do torneio, a um palco de excelência que é a casa de um conjunto largo de jogadores que foram formados no Sporting Clube de Portugal. Uma feliz notícia para o Sporting. Esperamos um estádio cheio e um grande ambiente de vitória para a seleção nacional", referiu Varandas.

Alvalade esteve para receber a 10 de setembro do ano passado o Portugal-Itália, da Liga das Nações. O jogo chegou a estar agendado para a casa dos leões, mas posteriormente foi mudado para a Luz. Esta alteração foi justificada na altura com questões logísticas relacionadas com as eleições no Sporting, que se realizaram dois dias antes da partida.

O total dos 85 jogos disputados pela seleção nacional em território nacional desde o Euro2004 foram realizados em 18 estádios diferentes. A Madeira (Portugal-Suécia, 2-3, em 2017) e os Açores (Portugal-Egito, 2-0, em 2005), por exemplo, receberam um jogo particular cada, tal como Barcelos (Portugal-Canadá, 4-1, em 2005), Évora (Portugal-Cabo Verde, 4-1, em 2006) e o Jamor (Portugal-Grécia, 0-0, em 2014).

Em 2017, a Federação Portuguesa de Futebol agendou dois jogos particulares frente a Arábia Saudita e Estados Unidos, em Viseu e Leiria, dois dos distritos mais afetados pelos incêndios, com as receitas a reverterem para as vítimas dos fogos. Os únicos 10 estádios que receberam jogos oficiais da seleção nacional foram precisamente os mesmos que serviram de palco para partidas do Euro2004. Os restantes oito recintos apenas acolheram desafios particulares.

Exclusivos