Jogador de Mourinho regressa aos convocados da seleção inglesa

O lateral esquerdo Luke Shaw, em destaque no Manchester United, regressou esta quinta-feira aos convocados do selecionador inglês Gareth Southgate, para os jogos com Espanha, da Liga das Nações, e o particular com a Suíça.

O regresso do lateral esquerdo Luke Shaw após uma ausência de 18 meses, constitui a principal novidade dos eleitos de Southgate, que operou mais quatro alterações em relação aos convocados para o Mundial 2018.

Além de Luke Shaw, o selecionador convocou ainda quatro jogadores que não estiveram na Rússia, nomeadamente Joe Gomez e Adam Lallana (Liverpool), James Tarkowski (Burney) e Alex McCarthy (Southampton).

"Viemos de um verão bem-sucedido e temos uma boa base para prosseguir o trabalho. Acho importante dar continuidade à equipa e os jogadores que estiveram no Mundial têm o direito de estar aqui novamente", referiu Southgate.

O jogador de José Mourinho nos red devils despertou a atenção do selecionador Gareth Southgate no onze do Manchester United, no arranque da Premier League, e foi recompensado com um lugar entre 18 dos 23 jogadores que levaram a Inglaterra às meias-finais, na Rússia.

A Inglaterra recebe a Espanha a 8 de setembro, para a Liga das Nações, e defronta a Suíça, três dias depois, num encontro particular.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.