Luís Filipe Vieira: "Queremos renovar com o Jonas"

Presidente diz que pode surgir um ou outro reforço. Garante que o mundo benfiquista está satisfeito com Jonas e que a SAD quer renovar com o brasileiro. O único que, diz, pode explicar qualquer dúvida, referindo-se certamente às notícias de que estará a caminho da Arábia Saudita

Após o triunfo (1-0) sobre o Fenerbahçe, na 1.ª mão da 3.ª pré-eliminatória da Liga dos Campeões, Luís Filipe Vieira disse que pretende renovar com Jonas e que as dúvidas sobre se este vai para a Arábia Saudita devem ser esclarecidas pelo número 10 benfiquista. E abriu portas à entrada de um ou dois novos jogadores.

"O plantel está consolidado, mas pode haver um ou outro reforço até 31 de agosto", consentiu o presidente do Benfica. "Não pensamos vender nenhum jogador".

O que levou à situação de Jonas, dado como certo na Arábia Saudita, primeiro no Al Nassr, depois no Al-Hilal orientado por Jorge Jesus. "Em relação ao Jonas, tem mais um ano de contrato. Estamos satisfeitos, o treinador também, e penso que a massa associativa também", referiu à BTV.

"É um dos melhores jogadores do Benfica dos últimos 20/30 anos, queremos renovar se possível. Qualquer dúvida tem de ser esclarecida pelo Jonas", atirou Vieira.

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.