Loja online da Juventus foi abaixo com pedidos de camisolas de Ronaldo

Adeptos do clube italiano loucos com a contratação do craque português. Megastore da Juventus em Turim nunca recebeu tantos clientes

É uma autêntica loucura! Mal a contratação de Cristiano Ronaldo foi oficial na terça-feira, os adeptos da Juventus desataram numa corrida para adquirir camisolas do avançado português. A loucura foi tanta que a loja online no site oficial da Juventus ficou em baixa grande parte do dia desta quinta-feira.

Quem tentava aceder à loja online do clube italiano até meio da tarde desta terça-feira, deparava-se com a seguinte mensagem: "Estamos a trabalhar para repor a loja online do clube com a máxima prioridade e empenho constante." Mas entretanto já está outra vez disponível.

Mas a corrida às camisolas de Ronaldo não foi apenas feita através do site oficial da Juventus. Também a megastore do clube em Turim registou uma enorme afluência, com milhares de pessoas a quererem comprar a camisola às riscas brancas e pretas com o número 7 e o nome de Ronaldo estampado nas costas. Para já, contudo, não há números oficiais de venda. Resta dizer que o preço de uma camisola original, igual à que os jogadores usam, custa 144,95 euros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...