Loja online da Juventus foi abaixo com pedidos de camisolas de Ronaldo

Adeptos do clube italiano loucos com a contratação do craque português. Megastore da Juventus em Turim nunca recebeu tantos clientes

É uma autêntica loucura! Mal a contratação de Cristiano Ronaldo foi oficial na terça-feira, os adeptos da Juventus desataram numa corrida para adquirir camisolas do avançado português. A loucura foi tanta que a loja online no site oficial da Juventus ficou em baixa grande parte do dia desta quinta-feira.

Quem tentava aceder à loja online do clube italiano até meio da tarde desta terça-feira, deparava-se com a seguinte mensagem: "Estamos a trabalhar para repor a loja online do clube com a máxima prioridade e empenho constante." Mas entretanto já está outra vez disponível.

Mas a corrida às camisolas de Ronaldo não foi apenas feita através do site oficial da Juventus. Também a megastore do clube em Turim registou uma enorme afluência, com milhares de pessoas a quererem comprar a camisola às riscas brancas e pretas com o número 7 e o nome de Ronaldo estampado nas costas. Para já, contudo, não há números oficiais de venda. Resta dizer que o preço de uma camisola original, igual à que os jogadores usam, custa 144,95 euros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.