Lista de Bruno de Carvalho chamou a polícia a Alvalade

Formalização da candidatura ainda não foi aceite esta segunda-feira

No dia em que se tornou conhecida uma decisão de tribunal a obrigar o Sporting a aceitar a candidatura da lista de Bruno de Carvalho às eleições do clube, o ex-presidente leonino não conseguiu formalizar a mesma, por indisponibilidade de Jaime Marta Soares, presidente da Mesa da Assembleia Geral (MAG), o que levou os membros da lista de Bruno de Carvalho a chamar mesmo a polícia a Alvalade, esta tarde.

"Foi mais uma manobra de Jaime Marta Soares, mais uma adiamento. Jaime Marta Soares não gosta do Sporting, porque não obedece nem uma decisão do tribunal. Diz que precisa de preparar-se, não sei do que fala. Precisa de preparar-se se já recebeu outras candidaturas? Deve estar a preparar-se para um torneio olímpico, porque deve ser muito cansativo receber candidaturas", queixou-se aos jornalistas Nuno Sousa, membro da lista ligada a Bruno de Carvalho, já depois de a PSP ter abandonado o local.

A formalização da candidatura de Bruno de Carvalho - que pode ser substituído como cabeça de lista pelo empresário Erik Kurgy, de forma a fintar a suspensão de um ano imposta recentemente ao ex-presidente pela Comissão de Fiscalização do clube - ficou entretanto agendada para as 10.30 desta terça-feira.

"Há regras e hierarquias a respeitar, como a hora de entrega de candidaturas, que o Sporting Clube de Portugal não está em auto-gestão", justificou Jaime Marta Soares, em declarações publicadas pelo Expresso. Depois da receção da candidatura, a MAG irá analisar a legalidade da mesma, num prazo de 48 horas.

Esta segunda-feira, Jaime Marta Soares recebeu as candidaturas de Frederico Varandas, Pedro Madeira Rodrigues e João Benedito, "devidamente agendadas".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

As miúdas têm notas melhores. E depois, o que acontece?

Nos rankings das escolas há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.