Lille garante que nada pagará ao Sporting por Rafael Leão

Jogador foi um dos nove que rescindiram com o clube, na sequência do ataque à Academia, em Alcochete, no dia 15 de maio.

O Lille garante que nada pagará ao Sporting por Rafael Leão, fechando assim as portas a um possível acordo com os leões. Depois do acordo entre o Wolverhampton e o Sporting por Rui Patrício e das negociações entre leões e Atlético Madrid por Gelson Martins, o acordo com os franceses seria o próximo. Mas não. Segundo o diretor geral do clube gaulês, disse ao Late Football Club, do CANAL+ SPORT, o caso do avançado nada tem a ver com o de Rui Patrício e que nada pagará aos leões.

"O caso do Rafael Leão é diferente do de Rui Patrício, onde o seu clube pagou uma compensação de 18 milhões de euros. O Rafael terminou o seu contrato a 30 de junho, por isso era um jogador livre. Aproveitámos a oportunidade, pois ele estava sem contrato, negociámos e assinámos vínculo a 1 de agosto. Não acontecerá com Rafael Leão aquilo que sucedeu com Rui Patrício. Temos a certeza", garantiu Marc Ingla.

Leão assinou pelo Lille depois de rescindir com o Sporting alegando justa causa, na sequência do ataque à Academia, em Alcochete, no dia 15 de maio, que esta semana levou à detenção do ex-presidente Bruno de Carvalho. O avançado foi um dos nove atletas que rescindiram e um dos quatro que ainda não chegou a acordo para impedir o processo do clube por quebra unilateral de contrato. O caso segue assim na FIFA, onde o Sporting colocou uma ação a reclamar 45,3 milhões por Rafael Leão ao Lille.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.