Liga e Federação já têm grupo de trabalho por causa do Mundial do Qatar 2022

Os dois organismos já trabalham no sentido de definir a melhor calendarização para as provas internas - campeonato, Taça de Portugal e Taça da Liga -, já que as competições terão de ser interrompidas entre novembro e dezembro de 2022

As datas do Mundial do Qatar de 2022 vão obrigar a revolucionar por completo os calendários futebolísticos de cada país e Portugal (em caso de apuramento) não foge à regra, já que o torneio vai realizar-se entre 21 de novembro e 18 de dezembro de 2022, altura em que habitualmente os campeonatos e as competições europeias de clubes estão em plena atividade.

Apesar de ainda estarmos a quatro anos de distância, fonte da Liga disse ao DN que o organismo presidido por Pedro Proença e a Federação Portuguesa de Futebol já criaram um grupo de trabalho que está a estudar o assunto. A mesma fonte reconheceu que a partir de agora, já com as datas do início e fim do Mundial oficiais, haverá uma especial atenção a este tema e a seu tempo serão anunciadas as alterações aos calendários.

Basicamente, ao que tudo indica, o campeonato português relativo à época 2021/2022 terá obrigatoriamente de começar mais cedo. Esta temporada, por exemplo, a I Liga vai ter início a 11 de agosto e até 21 de novembro vão estar decorridas nove jornadas. Depois deverá ainda haver acertos nos jogos relativos à Taça da Liga e da Taça de Portugal. Caso a seleção portuguesa seja apurada, é preciso ainda contar com o estágio que a equipa nacional vai realizar, ou seja, as provas forçosamente terão de ser interrompidas pelo menos no início de novembro.

Também a calendarização das competições europeias (Liga Europa e Liga dos Campeões) terão que sofrer alterações, já que entre novembro e dezembro costumam estar em disputa os jogos da fase de grupos. As provas europeias, recorde-se, só costumam ter uma pausa entre janeiro e meados de fevereiro (quando começam os jogos dos oitavos de final).

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.