Liga e Federação já têm grupo de trabalho por causa do Mundial do Qatar 2022

Os dois organismos já trabalham no sentido de definir a melhor calendarização para as provas internas - campeonato, Taça de Portugal e Taça da Liga -, já que as competições terão de ser interrompidas entre novembro e dezembro de 2022

As datas do Mundial do Qatar de 2022 vão obrigar a revolucionar por completo os calendários futebolísticos de cada país e Portugal (em caso de apuramento) não foge à regra, já que o torneio vai realizar-se entre 21 de novembro e 18 de dezembro de 2022, altura em que habitualmente os campeonatos e as competições europeias de clubes estão em plena atividade.

Apesar de ainda estarmos a quatro anos de distância, fonte da Liga disse ao DN que o organismo presidido por Pedro Proença e a Federação Portuguesa de Futebol já criaram um grupo de trabalho que está a estudar o assunto. A mesma fonte reconheceu que a partir de agora, já com as datas do início e fim do Mundial oficiais, haverá uma especial atenção a este tema e a seu tempo serão anunciadas as alterações aos calendários.

Basicamente, ao que tudo indica, o campeonato português relativo à época 2021/2022 terá obrigatoriamente de começar mais cedo. Esta temporada, por exemplo, a I Liga vai ter início a 11 de agosto e até 21 de novembro vão estar decorridas nove jornadas. Depois deverá ainda haver acertos nos jogos relativos à Taça da Liga e da Taça de Portugal. Caso a seleção portuguesa seja apurada, é preciso ainda contar com o estágio que a equipa nacional vai realizar, ou seja, as provas forçosamente terão de ser interrompidas pelo menos no início de novembro.

Também a calendarização das competições europeias (Liga Europa e Liga dos Campeões) terão que sofrer alterações, já que entre novembro e dezembro costumam estar em disputa os jogos da fase de grupos. As provas europeias, recorde-se, só costumam ter uma pausa entre janeiro e meados de fevereiro (quando começam os jogos dos oitavos de final).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.