Liga das Nações da UEFA desagrada... ao Brasil

Nova prova europeia de seleções vai reduzir número de jogos particulares e o escrete terá de encontrar alternativas para as datas FIFA

Novidade na Europa, a Liga das Nações causa desagrado ao... Brasil. Tudo porque o torneio do velho continente, que começa esta quinta-feira, vai reduzir o número de jogos particulares das seleções europeias, o que obrigará à seleção canarinha encontrar alternativas para manter a competitividade nas datas FIFA.

"Claro que a Liga das Nações dificulta, mas já conversamos internamente e vamos buscar os maiores adversários. A ideia em relação aos próximos jogos continua a mesma: enfrentar sempre os principais oponentes, a maior dificuldade possível", confessou o coordenador de seleções da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Edu Gaspar, citado pelo Globoesporte.

Também o antigo internacional brasileiro e atual comentador na Globo, Caio Ribeiro, lamenta a falta de oportunidades para a seleção de Tite defrontar congéneres europeias. "Quanto pudermos jogar contra europeus, testar formações e dificuldades diferentes, mais a equipa vai evoluir. A partir do momento em que você tem a Liga das Nações, perde a oportunidade de fazer mais jogos particulares contra seleções da Europa e, aí, perde rendimento", considerou o antigo avançado, que propõe uma solução: "Tem que mesclar. Buscar, talvez, testar uma seleção de África que tenha uma característica de imposição física, ou o Japão, conhecido pela velocidade. Pode também fazer jogos na América do Sul, contra rivais mais tradicionais, como Uruguai e Argentina. É preciso que a seleção atue em situações diferentes."

Nesta janela do calendário FIFA para as seleções, o Brasil vai defrontar Estados Unidos (madrugada deste sábado) e El Salvador (madrugada da próxima quarta-feira) em solo-americano. Os defesas portistas Felipe e Éder Militão estão entre os convocados.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?