Liga das Nações da UEFA desagrada... ao Brasil

Nova prova europeia de seleções vai reduzir número de jogos particulares e o escrete terá de encontrar alternativas para as datas FIFA

Novidade na Europa, a Liga das Nações causa desagrado ao... Brasil. Tudo porque o torneio do velho continente, que começa esta quinta-feira, vai reduzir o número de jogos particulares das seleções europeias, o que obrigará à seleção canarinha encontrar alternativas para manter a competitividade nas datas FIFA.

"Claro que a Liga das Nações dificulta, mas já conversamos internamente e vamos buscar os maiores adversários. A ideia em relação aos próximos jogos continua a mesma: enfrentar sempre os principais oponentes, a maior dificuldade possível", confessou o coordenador de seleções da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Edu Gaspar, citado pelo Globoesporte.

Também o antigo internacional brasileiro e atual comentador na Globo, Caio Ribeiro, lamenta a falta de oportunidades para a seleção de Tite defrontar congéneres europeias. "Quanto pudermos jogar contra europeus, testar formações e dificuldades diferentes, mais a equipa vai evoluir. A partir do momento em que você tem a Liga das Nações, perde a oportunidade de fazer mais jogos particulares contra seleções da Europa e, aí, perde rendimento", considerou o antigo avançado, que propõe uma solução: "Tem que mesclar. Buscar, talvez, testar uma seleção de África que tenha uma característica de imposição física, ou o Japão, conhecido pela velocidade. Pode também fazer jogos na América do Sul, contra rivais mais tradicionais, como Uruguai e Argentina. É preciso que a seleção atue em situações diferentes."

Nesta janela do calendário FIFA para as seleções, o Brasil vai defrontar Estados Unidos (madrugada deste sábado) e El Salvador (madrugada da próxima quarta-feira) em solo-americano. Os defesas portistas Felipe e Éder Militão estão entre os convocados.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.