Liga arquivou, mas FPF abre processo disciplinar a Brahimi

Jogador do FC Porto pode ser castigado por ter apertado o pescoço de um jogador do Chaves

No mesmo dia em que a Comissão de Instrutores da Liga decidiu arquivar a queixa do Benfica contra Brahimi, o Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol anunciou esta quinta-feira a abertura de um processo disciplinar ao extremo do FC Porto.

A decisão do presidente do CD, José Manuel Meirim, foi anunciada no site da FPF, num comunicado em que não é identificado o nome do argelino, como é de resto norma das comunicações do órgão disciplinar federativo quando instaura processos.

O que diz o comunicado:
"Instaurado processo disciplinar, por decisão do Presidente do Conselho de Disciplina, de 16 de agosto de 2018, a agente desportivo, com base em despacho da Comissão de Instrutores da LPFP, que arquiva requerimento de sociedade desportiva.
O processo foi enviado, hoje, à Comissão de Instrutores da Liga Portuguesa de Futebol Profissional, mantendo-se em segredo até ao fim da instrução."

Recorde-se que o Benfica pediu a instauração de um processo sumaríssimo a Brahimi por o jogador do FC Porto ter apertado o pescoço de Niltinho, do Chaves, no jogo da primeira jornada que os campeões nacionais venceram por 5-0.

Já esta quinta-feira, o vice-presidente do Benfica Varandas Fernandes criticara a decisão da Comissão de Instrutores da Liga: "Não está a ser feita justiça. É mau para o desporto e não é um bom exemplo. A começar assim, estamos muito mal para a época inteira."

Brahimi será opção para Sérgio Conceição enquanto o processo decorrer, podendo jogar no domingo, no Jamor, frente ao Belenenses SAD, na segunda jornada da I Liga.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.