Lewis Hamilton conquistou 10.ª pole position da temporada

O britânico conquistou este sábado a décima pole position da temporada, ao ser o mais rápido na sessão de qualificação do Grande Prémio do Brasil de Fórmula 1.

O piloto da Mercedes, que já assegurou o quinto título da sua carreira na prova anterior, no México, bateu o alemão Sebastian Vettel, da Ferrari, por 0,093 segundos.

Hamilton, que fez a sua melhor volta em 1.07,281 minutos, foi o único piloto a melhorar o seu registo na segunda tentativa, utilizando os pneus super-macios.

Com este resultado, Lewis Hamilton garantiu a pole em metade dos 20 grande prémios realizados, e a 82.ª da sua carreira.

"Foi uma qualificação difícil porque o tempo mudava a cada instante", explicou o britânico, que nesta prova utiliza a mesma decoração de capacete que o malogrado Ayrton Senna usava, em jeito de homenagem ao brasileiro.

Sebastian Vettel foi o segundo, apesar de ter estado perto de conquistar a pole, mas falhou a travagem na curva 8 do circuito de Interlagos, perdendo três décimas de segundo e a possibilidade de sair do primeiro lugar da grelha de partida na corrida deste domingo.

Contudo, Vettel ainda poderá ser penalizado pois está a ser investigado por um incidente ocorrido depois da segunda fase da qualificação. O piloto da Ferrari foi chamado pelos comissários para a habitual pesagem, mas não gostou da demora do procedimento, pois estava com pressa para regressar às boxes devido à ameaça de chuva. Além de ter gesticulado contra os comissários, deixou o motor do seu monolugar ligado, o que acabou por danificar o equipamento da Federação Internacional do Automóvel (FIA).

"Acho injusto alguém ser chamado [à pesagem] quando as condições atmosféricas estão a mudar", criticou o antigo campeão.

O finlandês Valtteri Bottas (Mercedes) levou a melhor sobre o compatriota Kimi Raikkonen (Ferrari) por apenas 0,015 segundos, no duelo particular entre os dois escudeiros.

O holandês Max Verstappen sairá da quinta posição da grelha com o seu Red Bull, tendo batido o colega de equipa, o australiano Daniel Ricciardo, por apenas 0,002 segundos.

No entanto, o piloto australiano sairá apenas do 11.º lugar da grelha, depois de uma penalização de cinco lugares pelo facto de a sua equipa ter mudado o turbocompressor do seu monolugar. Uma troca que aconteceu depois de um dos comissários do GP do México de há duas semanas ter despejado um extintor no cano de escape do Red Bull de Ricciardo, que estava a deitar fumo quando o australiano desistiu com problemas de motor. A espuma acabou por solidificar e danificar o turbo, obrigando agora à sua substituição.

O Grande Prémio do Brasil de Fórmula 1 é a 20.ª corrida da temporada, das 21 previstas. Lewis Hamilton, em Mercedes, já garantiu o título antecipadamente, igualando o argentino Juan Manuel Fangio com cinco campeonatos conquistados.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.