Levante denuncia Barcelona por utilização irregular de jogador na Taça do Rei

O Levante confirmou esta sexta-feira ter apresentado uma queixa na Real Federação Espanhola de Futebol (RFEF), por entender que houve utilização irregular do jogador Chumi, na primeira mão da Taça do Rei.

Na sua conta no Twitter, o Levante revelou ter apresentando a denúncia junto da RFEF, depois de na quinta-feira o caso ter vindo a público através do jornal El Mundo, explicando que o futebolista da formação catalã estava suspenso.

O defesa foi titular e saiu aos 58 minutos no jogo da primeira mão, em 10 de janeiro, um dia depois de ter sido suspenso por acumulação de cartões amarelos ao serviço da equipa filial dos catalães.

No primeiro jogo, o Levante ganhou por 2-1 e na quinta-feira, quando já era conhecido o caso, o FC Barcelona venceu em casa a equipa valenciana por 3-0, virando a seu favor a eliminatória dos oitavos de final da Taça do Rei.

O FC Barcelona reagiu, dizendo que a utilização foi "correta", na medida em que o jogador estaria suspenso apenas na equipa satélite, adiantando que existe um prazo para apresentação de queixa e que este já expirou.

Ainda assim, o presidente do Levante, Quico Catalán, explicou na quinta-feira que os argumentos para a queixa do clube valenciano têm jurisprudência "sólida".

O sorteio dos quartos de final da competição está marcado para esta sexta-feira à tarde e a questão deverá ser analisada com urgência, embora a decisão seja passível de recurso em sede da justiça federativa e, posteriormente, de tribunal administrativo.

Na época de 2015/16, na Taça do Rei, o rival Real Madrid fez alinhar Denis Cheryshev frente ao Cádis, sem ter em conta uma suspensão, o que motivou a desqualificação da equipa merengue da competição.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Patrícia Viegas

Espanha e os fantasmas da Guerra Civil

Em 2011, fazendo a cobertura das legislativas que deram ao PP de Mariano Rajoy uma maioria absoluta histórica, notei que quando perguntava a algumas pessoas do PP o que achavam do PSOE, e vice-versa, elas respondiam, referindo-se aos outros, não como socialistas ou populares, não como de esquerda ou de direita, mas como los rojos e los franquistas. E o ressentimento com que o diziam mostrava que havia algo mais em causa do que as questões quentes da atualidade (a crise económica e financeira estava no seu auge e a explosão da bolha imobiliária teve um impacto considerável). Uma questão de gerações mais velhas, com os fantasmas da Guerra Civil espanhola ainda presente, pensei.