Leipzig trocou multas em dinheiro por roleta com castigos aos jogadores

Treinado do clube alemão onde joga o internacional português Bruma inovou nas punições aos futebolistas. Quem pisar o risco pode ter de trabalhar na confeitaria ou na loja do clube, ou até usar um fato de bailarina nos treinos

Ralf Rangnick, treinador do Leipzig, equipa da I Liga alemã onde atua o internacional português Bruma, resolveu acabar com as multas em dinheiro para castigar os jogadores que chegam atrasados aos treinos ou que praticam atos de indisciplina. Mas as multas foram substituídas por... castigos. O clube criou uma roda da sorte (neste caso de azar) com 12 punições, que vão desde limpar bolas e equipamentos, a trabalhar umas horas na loja do Leipzig ou na confeitaria, até usar camisolas rosa ou trajes de bailarina nos treinos.

"As multas em dinheiro raramente dão resultado. Castiga mais os jogadores, por exemplo, terem menos tempo livre, como trabalhar três horas na loja do clube", argumentou o treinador.

Eis os 12 castigos, que na realidade são 11, porque um iliba os futebolistas:

- Encher as bolas, limpá-las e colocá-las no campo antes do treino: 30 minutos por dia durante uma semana;

- Treinar uma equipa filial no dia de folga durante quatro horas;

- Servir de guia nas visitas ao estádio durante uma hora;

- Sorte: sem castigo;

- Cortar a relva e cuidar do campo de treinos num total de quatro a seis horas por semana;

- Usar uma camisola cor de rosa ou um fato de bailarina durante um treino de 90 minutos;

- Preparar as bebidas (água e energéticas) antes dos treinos: 20 minutos por dia durante uma semana;

- Trabalhar na loja do clube atrás do balcão durante três horas;

- Servir refeições e limpar as mesas da cafetaria do clube 30 minutos por dia;

- Fazer a limpeza dos equipamentos e das chuteiras: 30 minutos por dia;

- Ajudar a carregar mochilas e equipamentos para o autocarro da equipa nos dias de jogos visitante, durante cerca de uma hora e meia;

- Comprar pequenos presentes para as cerca de 60 pessoas que compõem o staff do Leipzig.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Patrícia Viegas

Espanha e os fantasmas da Guerra Civil

Em 2011, fazendo a cobertura das legislativas que deram ao PP de Mariano Rajoy uma maioria absoluta histórica, notei que quando perguntava a algumas pessoas do PP o que achavam do PSOE, e vice-versa, elas respondiam, referindo-se aos outros, não como socialistas ou populares, não como de esquerda ou de direita, mas como los rojos e los franquistas. E o ressentimento com que o diziam mostrava que havia algo mais em causa do que as questões quentes da atualidade (a crise económica e financeira estava no seu auge e a explosão da bolha imobiliária teve um impacto considerável). Uma questão de gerações mais velhas, com os fantasmas da Guerra Civil espanhola ainda presente, pensei.