Leipzig trocou multas em dinheiro por roleta com castigos aos jogadores

Treinado do clube alemão onde joga o internacional português Bruma inovou nas punições aos futebolistas. Quem pisar o risco pode ter de trabalhar na confeitaria ou na loja do clube, ou até usar um fato de bailarina nos treinos

Ralf Rangnick, treinador do Leipzig, equipa da I Liga alemã onde atua o internacional português Bruma, resolveu acabar com as multas em dinheiro para castigar os jogadores que chegam atrasados aos treinos ou que praticam atos de indisciplina. Mas as multas foram substituídas por... castigos. O clube criou uma roda da sorte (neste caso de azar) com 12 punições, que vão desde limpar bolas e equipamentos, a trabalhar umas horas na loja do Leipzig ou na confeitaria, até usar camisolas rosa ou trajes de bailarina nos treinos.

"As multas em dinheiro raramente dão resultado. Castiga mais os jogadores, por exemplo, terem menos tempo livre, como trabalhar três horas na loja do clube", argumentou o treinador.

Eis os 12 castigos, que na realidade são 11, porque um iliba os futebolistas:

- Encher as bolas, limpá-las e colocá-las no campo antes do treino: 30 minutos por dia durante uma semana;

- Treinar uma equipa filial no dia de folga durante quatro horas;

- Servir de guia nas visitas ao estádio durante uma hora;

- Sorte: sem castigo;

- Cortar a relva e cuidar do campo de treinos num total de quatro a seis horas por semana;

- Usar uma camisola cor de rosa ou um fato de bailarina durante um treino de 90 minutos;

- Preparar as bebidas (água e energéticas) antes dos treinos: 20 minutos por dia durante uma semana;

- Trabalhar na loja do clube atrás do balcão durante três horas;

- Servir refeições e limpar as mesas da cafetaria do clube 30 minutos por dia;

- Fazer a limpeza dos equipamentos e das chuteiras: 30 minutos por dia;

- Ajudar a carregar mochilas e equipamentos para o autocarro da equipa nos dias de jogos visitante, durante cerca de uma hora e meia;

- Comprar pequenos presentes para as cerca de 60 pessoas que compõem o staff do Leipzig.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?