Treinador do Villarreal identifica "problemas na defesa" do Sporting

Javier Calleja acredita que a sua equipa está a evoluir e aposta numa vitória em Alvalade para "dar confiança e moral" para o resto da época

Javier Calleja, treinador do Villarreal, disse esta quarta-feira que vai tentar vencer o Sporting, no encontro da primeira mão dos 16 avos-de-final da Liga Europa, marcado para esta quinta-feira (20.00 horas) em Alvalade, e apontou a defesa leonina como um ponto fraco a explorar.

"O Sporting joga ao ataque, procura jogar constantemente no meio-campo adversário e a nível defensivo sabemos que têm alguns problemas", disse o técnico espanhol, que iniciou a temporada no comando técnico da equipa, foi destituído em dezembro, mas regressou este mês para tentar salvar a formação espanhola dos lugares de descida.

Apesar de não vencer há dez jogos para a Liga espanhola, Calleja acredita que os últimos dois empates conseguidos indicam que a equipa está a crescer, mas frisa que a vitória seria o ideal para dar "moral e confiança". "As vitórias reforçam sempre, queremos ganhar. Já estivemos perto nas últimas duas jornadas, mas temos de continuar à procura e trabalhar para conseguir. Se amanhã conseguirmos ganhar vai dar confiança e moral à equipa", concluiu.

O experiente médio espanhol Javi Fuego também marcou presença na conferência, para dizer que um empate no Estádio José Alvalade seria um bom resultado. "Estamos concentrados em dar o máximo rendimento para pôr em campo tudo que temos trabalhado. Temos consciência de que vamos enfrentar uma grande equipa, num grande estadio e isso é uma grande motivação para fazer as coisas bem. Um empate pode ser bom, sim", argumentou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

E uma moção de censura à oposição?

Nos últimos três anos, o governo gozou de um privilégio raro em democracia: a ausência quase total de oposição. Primeiro foi Pedro Passos Coelho, que demorou a habituar-se à ideia de que já não era primeiro-ministro e decidiu comportar-se como se fosse um líder no exílio. Foram dois anos em que o principal partido da oposição gritou, esperneou e defendeu o indefensável, mesmo quando já tinha ficado sem discurso. E foi nas urnas que o país mostrou ao PSD quão errada estava a sua estratégia. Só aí é que o partido decidiu mudar de líder e de rumo.