Sp. Braga arranca na Europa com empate frente ao Zorya

Bracarenses empataram 1-1 na visita aos ucranianos do Zorya, em jogo da primeira mão da terceira pré-eliminatória da Liga Europa.

Na Arena Slavutych, em Zaporizhia, casa emprestada do Zorya, Ricardo Horta colocou os bracarenses na frente, aos 69 minutos, mas Oleksandr Karavaev repôs a igualdade, aos 72.

O jogo da segunda mão está marcado para a próxima quinta-feira, às 20:30, no Estádio Municipal de Braga.

O vencedor da eliminatória avança para o playoff de acesso à fase de grupos da Liga Europa, no qual vai defrontar os alemães do Leipzig ou os romenos do Universitatea Craiova.

---
Jogo na Arena Slavutych, em Zaporizhia.

Zorya Luhansk - Sporting de Braga, 1-1.

Ao intervalo: 0-0.

Marcadores:

0-1, Ricardo Horta, 69 minutos.

1-1, Oleksandr Karavaiev, 72.

Equipas:

- Zorya Luhansk: Luiz Felipe, Oleksandr Tymcvhyk, Oleksandr Svatok, Vitalii Vernydub, Bogdan Mykhailichenko, Ihor Kharatin, Silas (Artem Gordienko, 66), Dmytro Khomchenovskyy, Oleksandr Karavaiev, Bogdan Lednev (Vladyslav Kochergin, 71), Ratão.

(Suplentes: Zauri Makharadze, Vasyl Pryvma, Artem Gordienko, Mykyta Kamenyuka, Vladyslav Kochergin, Maksym Lunyov e Vladyslav Kabaev).

Treinador: Yuriy Vernidub.

- Sporting de Braga: Matheus, Marcelo Goiano, Bruno Viana, Raul Silva, Sequeira, Claudemir, João Novais (Ryller, 89), Esgaio, Ricardo Horta (Fábio Martins, 89), Fransérgio e Wilson Eduardo (Dyego Sousa, 78).

(Suplentes: Tiago Sá, Diogo Figueiras, Pablo Santos, Ryller, Xadas, Fábio Martins e Dyego Sousa).

Treinador: Abel Ferreira.

Árbitro: Tobias Welz (Alemanha).

Ação disciplinar: cartão amarelo para Wilson Eduardo (25), Bogdan Lednev (27), João Novais (43), Ihor Kharatin (80).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

"Petróleo, não!" Nesta semana já estivemos perto

1. Uma coisa é termos uma vaga ideia de quão estupidamente dependemos dos combustíveis fósseis. Outra, vivê-la em concreto. Obrigado aos grevistas. A memória perdida sobre o "petróleo" voltou. Ficou a nu que temos de fugir dos senhores feudais do Médio Oriente, das oligopolísticas, campanhas energéticas com preços afinados ao milésimo de euro e, finalmente, deste tipo de sindicatos e associações patronais com um poder absolutamente desproporcionado.