Sp. Braga arranca na Europa com empate frente ao Zorya

Bracarenses empataram 1-1 na visita aos ucranianos do Zorya, em jogo da primeira mão da terceira pré-eliminatória da Liga Europa.

Na Arena Slavutych, em Zaporizhia, casa emprestada do Zorya, Ricardo Horta colocou os bracarenses na frente, aos 69 minutos, mas Oleksandr Karavaev repôs a igualdade, aos 72.

O jogo da segunda mão está marcado para a próxima quinta-feira, às 20:30, no Estádio Municipal de Braga.

O vencedor da eliminatória avança para o playoff de acesso à fase de grupos da Liga Europa, no qual vai defrontar os alemães do Leipzig ou os romenos do Universitatea Craiova.

---
Jogo na Arena Slavutych, em Zaporizhia.

Zorya Luhansk - Sporting de Braga, 1-1.

Ao intervalo: 0-0.

Marcadores:

0-1, Ricardo Horta, 69 minutos.

1-1, Oleksandr Karavaiev, 72.

Equipas:

- Zorya Luhansk: Luiz Felipe, Oleksandr Tymcvhyk, Oleksandr Svatok, Vitalii Vernydub, Bogdan Mykhailichenko, Ihor Kharatin, Silas (Artem Gordienko, 66), Dmytro Khomchenovskyy, Oleksandr Karavaiev, Bogdan Lednev (Vladyslav Kochergin, 71), Ratão.

(Suplentes: Zauri Makharadze, Vasyl Pryvma, Artem Gordienko, Mykyta Kamenyuka, Vladyslav Kochergin, Maksym Lunyov e Vladyslav Kabaev).

Treinador: Yuriy Vernidub.

- Sporting de Braga: Matheus, Marcelo Goiano, Bruno Viana, Raul Silva, Sequeira, Claudemir, João Novais (Ryller, 89), Esgaio, Ricardo Horta (Fábio Martins, 89), Fransérgio e Wilson Eduardo (Dyego Sousa, 78).

(Suplentes: Tiago Sá, Diogo Figueiras, Pablo Santos, Ryller, Xadas, Fábio Martins e Dyego Sousa).

Treinador: Abel Ferreira.

Árbitro: Tobias Welz (Alemanha).

Ação disciplinar: cartão amarelo para Wilson Eduardo (25), Bogdan Lednev (27), João Novais (43), Ihor Kharatin (80).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.