Treinador do Fenerbahçe quer aproveitar "vantagem" de receber Benfica na segunda mão

Phillip Cocu qualificou esta segunda-feira o Benfica de "uma das equipas mais difíceis" que poderia encontrar na terceira pré-eliminatória da Liga dos Campeões

"Calhou-nos uma das equipas mais difíceis, entre os adversários possíveis. Vamos jogar o primeiro jogo fora. Quando voltarmos a Istambul, vamos tentar aproveitar essa vantagem e o facto de contarmos com o apoio dos nossos adeptos", observou Phillip Cocu.

O treinador holandês pretende "preparar da melhor forma" os dois jogos com o vice-campeão português, "uma equipa que está habituada a jogar" na principal competição europeia de clubes, reafirmando a "crença" na qualificação.

"Sei que eles estão cientes que não será fácil eliminar-nos. Confiamos em nós e sabemos que podemos fazer bons jogos. É com essa crença que iremos para lá [Lisboa]", advertiu o técnico do Fenerbahçe, que terminou em segundo lugar no campeonato turco da época passada.

O Benfica procura juntar-se ao FC Porto na Liga dos Campeões, mas, para isso, terá de eliminar o Fenerbahçe (que recebe em 7 ou 8 de agosto, no Estádio da Luz, uma semana antes de se deslocar a Istambul) e ainda ultrapassar os play-offs de acesso à fase de grupos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Patrícia Viegas

Espanha e os fantasmas da Guerra Civil

Em 2011, fazendo a cobertura das legislativas que deram ao PP de Mariano Rajoy uma maioria absoluta histórica, notei que quando perguntava a algumas pessoas do PP o que achavam do PSOE, e vice-versa, elas respondiam, referindo-se aos outros, não como socialistas ou populares, não como de esquerda ou de direita, mas como los rojos e los franquistas. E o ressentimento com que o diziam mostrava que havia algo mais em causa do que as questões quentes da atualidade (a crise económica e financeira estava no seu auge e a explosão da bolha imobiliária teve um impacto considerável). Uma questão de gerações mais velhas, com os fantasmas da Guerra Civil espanhola ainda presente, pensei.