Arsenal vence dérbi e treinador do Chelsea arrasa jogadores

Os franceses Lacazette e Koscielny deram ao Arsenal a vitória em casa no dérbi de Londres. Maurizio Sarri diz que o Chelsea tem um grupo de jogadores "difícil de se motivar"

Em jogo da 23.ª jornada da Liga inglesa, Lacazette, aos 14 minutos, e Koscielny, aos 39, desequilibraram um jogo em que o Chelsea teve uma posse de bola acima de 60%, mas em que o Arsenal foi mais objetivo no momento de finalizar.

A derrota, que deixou o Chelsea já a 13 pontos do líder Liverpool, deixou irritadíssimo o técnico italiano dos blues, Maurizio Sarri, que no final não poupou os seus jogadores.

""Hoje eu prefiro falar italiano. Eu quero enviar uma mensagem aos meus jogadores e não quero falar errado em inglês", começou por avisar o técnico, no final da partida.

"Eu estou muito irritando. Esta derrota foi por causa da nossa mentalidade. Eles foram muito mais determinados do que nós e eu não posso aceitar isso. Tivemos um problema semelhante contra o Tottenham. Falei com os jogadores e pensei que estava resolvido. Aparentemente, este grupo de jogadores é difícil de se motivar", criticou Sarri, acrescentando que "quando se vê um jogo destes, em que uma equipa é muito mais determinada do que outra, não se pode falar de táticas".

A Liga inglesa é liderada por Liverpool, com 60 pontos, seguido de Manchester City, com 53 e menos um jogo -- que disputará no domingo -, de Tottenham, com 48, e de Chelsea, com 47, que fecha o grupo de quatro equipas com acesso direto à Liga dos Campeões. O Arsenal está no quinto posto, agora a apenas três pontos dos 'blues'.

Também com 44 pontos está o Manchester United, na sexta posição, depois de hoje ter somado a sétima vitória consecutiva desde que Ole Gunnar Solskjaer assumiu o cargo de treinador, face ao despedimento de José Mourinho.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?