Krovinovic: "No primeiro contacto com a bola senti-me renascer"

O médio do Benfica garante que já "falta pouco" para voltar aos relvados após a lesão sofrida há quase oito meses. O regresso está previsto para outubro

Está para breve o regresso de Filip Krovinovic aos relvados. Em entrevista à televisão do clube, o médio do Benfica assumiu que "falta pouco" para o seu regresso. "Já fiz algumas coisas com o plantel. Sinto-me muito bem e daqui a nada estou com os meus companheiros. Tenho muita vontade de voltar a ajudar a equipa", disse o jogador.

O regresso às opções de Rui Vitória está previsto para outubro, mas o croata revelou as primeiras sensações com a bola nos pés. "No primeiro contacto com a bola senti-me renascer. Foi como se tivesse começado a jogar futebol, como se fosse o primeiro dia da minha carreira", contou.

Krovinovic acrescentou que "nas últimas duas semanas" já fez "treinos de posse de bola como joker" juntamente com os companheiros. "Senti-me muito bem nas pernas e na cabeça. Sinto que o regresso está para breve. Claro que a confiança ainda não está a 100 por cento nesta altura, mas todos os dias ganho ritmo. Espero poder fazer alguns minutos já em outubro", frisou o médio

No dia 20 completam-se oito meses da lesão grave sofrida por Krovinovic no joelho direito e desde então tem visto os jogos da bancada. "Sofri muito, porque os meus colegas estavam a jogar e eu só podia ver e gritar. Mas daqui a nada estou de volta", sublinhou, garantindo que ficou "muito feliz" quando soube que tinha sido inscrito na Champions. "Todos os jogadores querem estar na Liga dos Campeões. Quando voltar, espero poder ter os meus primeiros minutos nessa competição. Será o realizar de um sonho", admitiu.

Quando se lesionou, numa partida com o Desp. Chaves, no Estádio da Luz, Krovinovic era titular indiscutível da equipa de Rui Vitória, pela qual fez 19 jogos oficiais e marcou dois golos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.