Krovinovic: "No primeiro contacto com a bola senti-me renascer"

O médio do Benfica garante que já "falta pouco" para voltar aos relvados após a lesão sofrida há quase oito meses. O regresso está previsto para outubro

Está para breve o regresso de Filip Krovinovic aos relvados. Em entrevista à televisão do clube, o médio do Benfica assumiu que "falta pouco" para o seu regresso. "Já fiz algumas coisas com o plantel. Sinto-me muito bem e daqui a nada estou com os meus companheiros. Tenho muita vontade de voltar a ajudar a equipa", disse o jogador.

O regresso às opções de Rui Vitória está previsto para outubro, mas o croata revelou as primeiras sensações com a bola nos pés. "No primeiro contacto com a bola senti-me renascer. Foi como se tivesse começado a jogar futebol, como se fosse o primeiro dia da minha carreira", contou.

Krovinovic acrescentou que "nas últimas duas semanas" já fez "treinos de posse de bola como joker" juntamente com os companheiros. "Senti-me muito bem nas pernas e na cabeça. Sinto que o regresso está para breve. Claro que a confiança ainda não está a 100 por cento nesta altura, mas todos os dias ganho ritmo. Espero poder fazer alguns minutos já em outubro", frisou o médio

No dia 20 completam-se oito meses da lesão grave sofrida por Krovinovic no joelho direito e desde então tem visto os jogos da bancada. "Sofri muito, porque os meus colegas estavam a jogar e eu só podia ver e gritar. Mas daqui a nada estou de volta", sublinhou, garantindo que ficou "muito feliz" quando soube que tinha sido inscrito na Champions. "Todos os jogadores querem estar na Liga dos Campeões. Quando voltar, espero poder ter os meus primeiros minutos nessa competição. Será o realizar de um sonho", admitiu.

Quando se lesionou, numa partida com o Desp. Chaves, no Estádio da Luz, Krovinovic era titular indiscutível da equipa de Rui Vitória, pela qual fez 19 jogos oficiais e marcou dois golos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.