Krovinovic: "No primeiro contacto com a bola senti-me renascer"

O médio do Benfica garante que já "falta pouco" para voltar aos relvados após a lesão sofrida há quase oito meses. O regresso está previsto para outubro

Está para breve o regresso de Filip Krovinovic aos relvados. Em entrevista à televisão do clube, o médio do Benfica assumiu que "falta pouco" para o seu regresso. "Já fiz algumas coisas com o plantel. Sinto-me muito bem e daqui a nada estou com os meus companheiros. Tenho muita vontade de voltar a ajudar a equipa", disse o jogador.

O regresso às opções de Rui Vitória está previsto para outubro, mas o croata revelou as primeiras sensações com a bola nos pés. "No primeiro contacto com a bola senti-me renascer. Foi como se tivesse começado a jogar futebol, como se fosse o primeiro dia da minha carreira", contou.

Krovinovic acrescentou que "nas últimas duas semanas" já fez "treinos de posse de bola como joker" juntamente com os companheiros. "Senti-me muito bem nas pernas e na cabeça. Sinto que o regresso está para breve. Claro que a confiança ainda não está a 100 por cento nesta altura, mas todos os dias ganho ritmo. Espero poder fazer alguns minutos já em outubro", frisou o médio

No dia 20 completam-se oito meses da lesão grave sofrida por Krovinovic no joelho direito e desde então tem visto os jogos da bancada. "Sofri muito, porque os meus colegas estavam a jogar e eu só podia ver e gritar. Mas daqui a nada estou de volta", sublinhou, garantindo que ficou "muito feliz" quando soube que tinha sido inscrito na Champions. "Todos os jogadores querem estar na Liga dos Campeões. Quando voltar, espero poder ter os meus primeiros minutos nessa competição. Será o realizar de um sonho", admitiu.

Quando se lesionou, numa partida com o Desp. Chaves, no Estádio da Luz, Krovinovic era titular indiscutível da equipa de Rui Vitória, pela qual fez 19 jogos oficiais e marcou dois golos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.