Kevin Anderson ganha batalha de gigantes em maratona de seis horas e meia

Sul-africano ganhou a Isner, por 7-6(6), 6-7(5), 6-7(9), 6-4 e 26-24, num jogo que durou seis horas e 35 minutos. Anderson espera agora pelo vencedor do duelo entre Nadal e Djokovic para saber quem enfrenta na final

Uma maratona de ténis ao mais alto nível entre dois gigantes do ténis mundial, que durou seis horas e 35 minutos e que levou Wimbledon ao rubro esta sexta feira! Levou a melhor Kevin Anderson, número oito mundial, que assim está apurado para a segunda final em torneios do Grand Slam em 10 meses. O jogador sul-africano venceu o norte-americano John Isner, com os parciais de 7-6(6), 6-7(5), 6-7(9), 6-4 e 26-24.

Numa partida que se esperava equilibrada e marcada pelo excelente serviço de ambos os jogadores, cedo se percebeu que nenhum dos tenistas ia entregar o jogo sem dar luta. O duelo podia ter caído para qualquer lado, mas foi o sul-africano a ser feliz, depois de realizar um break ao 20.º jogo do quinto e decisivo set e avançar para a final no All England Club.

Na luta pelo seu primeiro título do Grand Slam, Anderson vai defrontar o vencedor do duelo entre Novak Djokovic e Rafa Nadal, que foi interrompido às 23.00 de sexta-feira, quando o sérvio liderava 6-4 3-6 7-6(9), e será retomada sábado às 13.00.

O encontro entre Isner (2,08 metros) e Anderson (2,03 metros) entrou para a história como a meia-final mais longa do emblemático torneio britânico, sendo mesmo o segundo encontro da história do ténis que durou mais tempo. E com uma particularidade. Isner esteve nos dois. O tenista norte-americano ainda tem o recorde de jogo mais longo, uma vitória sobre Nico Mahut, na primeira ronda de Wimbledon, em 2010 - o encontro mais longo da história do ténis, que demorou 11 horas e seis minutos!

Ler mais

Exclusivos

Ricardo Paes Mamede

DN+ Queremos mesmo pagar às pessoas para se reproduzirem?

De acordo com os dados do Banco Mundial, Portugal apresentava em 2016 a sexta taxa de fertilidade mais baixa do mundo. As previsões do INE apontam para que a população do país se reduza em mais de 2,5 milhões de habitantes até 2080, caso as tendências recentes se mantenham. Segundo os dados da OCDE, entre os países com economias mais avançadas Portugal é dos que gastam menos com políticas de apoio à família. Face a estes dados, a conclusão parece óbvia: é preciso que o Estado dê mais incentivos financeiros aos portugueses em idade reprodutiva para que tenham mais filhos.