Kevin Anderson ganha batalha de gigantes em maratona de seis horas e meia

Sul-africano ganhou a Isner, por 7-6(6), 6-7(5), 6-7(9), 6-4 e 26-24, num jogo que durou seis horas e 35 minutos. Anderson espera agora pelo vencedor do duelo entre Nadal e Djokovic para saber quem enfrenta na final

Uma maratona de ténis ao mais alto nível entre dois gigantes do ténis mundial, que durou seis horas e 35 minutos e que levou Wimbledon ao rubro esta sexta feira! Levou a melhor Kevin Anderson, número oito mundial, que assim está apurado para a segunda final em torneios do Grand Slam em 10 meses. O jogador sul-africano venceu o norte-americano John Isner, com os parciais de 7-6(6), 6-7(5), 6-7(9), 6-4 e 26-24.

Numa partida que se esperava equilibrada e marcada pelo excelente serviço de ambos os jogadores, cedo se percebeu que nenhum dos tenistas ia entregar o jogo sem dar luta. O duelo podia ter caído para qualquer lado, mas foi o sul-africano a ser feliz, depois de realizar um break ao 20.º jogo do quinto e decisivo set e avançar para a final no All England Club.

Na luta pelo seu primeiro título do Grand Slam, Anderson vai defrontar o vencedor do duelo entre Novak Djokovic e Rafa Nadal, que foi interrompido às 23.00 de sexta-feira, quando o sérvio liderava 6-4 3-6 7-6(9), e será retomada sábado às 13.00.

O encontro entre Isner (2,08 metros) e Anderson (2,03 metros) entrou para a história como a meia-final mais longa do emblemático torneio britânico, sendo mesmo o segundo encontro da história do ténis que durou mais tempo. E com uma particularidade. Isner esteve nos dois. O tenista norte-americano ainda tem o recorde de jogo mais longo, uma vitória sobre Nico Mahut, na primeira ronda de Wimbledon, em 2010 - o encontro mais longo da história do ténis, que demorou 11 horas e seis minutos!

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...